banner_immuno2018
28 novembro, 2014 • 12:35 Enviado por Joao Carmo

Candidíase vaginal e resposta imune

Em estudo de revisão de 2014, Peters e
colaboradores fazem uma breve abordagem dos avanços a respeito da imunidade
inata e adaptativa na candidíase vulvovaginal (CVV) e na CVV recorrente,
suscetibilidade genética na vaginite por Candida
albicans
, virulência do patógeno e potenciais candidatos para a terapia
antifúngica nesse modelo de infecção.
A candidíase vulvovaginal (CVV) é uma
forma de infecção com envolvimento mucocutâneo, sendo que cerca de 75% das
mulheres com vida sexual ativa já desenvolveram ou desenvolverão ao menos um
episódio dessa micose ao longo da vida. Em torno de 5% a 8% das mulheres
adultas podem apresentar episódios recorrentes de candidíase vulvovaginal
(Sobel, 2007; Achkar e Fries, 2010). O desenvolvimento de CVV está associado ao
uso de antibiótico, anticoncepcionais orais com altos níveis de estrógenos,
diabetes, entre outros fatores de risco (Sobel, 2007; Achkar e Fries, 2010). A CVV tem como sintomas mais
frequentes a secreção abundante, geralmente acompanhada de irritação intensa da
vagina e vulva, coceira, vermelhidão, dor e inchaço. Os custos em cuidados
relacionados ao tratamento da vaginite são de aproximadamente 1,8 bilhões de
dólares nos EUA anualmente (Foxman et al., 2000).
A espécie Candida
albicans
é uma levedura que faz parte da microbiota normal do trato
gastro-intestinal de homens e mulheres e é responsável pela maioria dos casos
de infecção oral e vaginal (Samaranayake e Samaranayake, 2001). Atributos
de virulência do patógeno, como enzimas proteolíticas, lipases, transição
morfológica da forma de levedura para hifa e formação de biofilme, são
importantes na imunopatologia da CVV. O pH vaginal de 4,5 e a microbiota
bacteriana mantêm o microambiente vaginal sob controle, evitando o crescimento
excessivo de microrganismos, a inflamação e a injúria tecidual.
Diferentes
modelos experimentais de CVV têm sido desenvolvidos para melhor compreensão da
patogenicidade, busca de terapias mais eficazes, além dos mecanismos de defesa
contra Candida albicans. O estabelecimento de CVV em modelos murinos requer a administração
prolongada de 17-b-estradiol, hormônio este associado ao aumento de CVV em
mulheres (Clemons et al., 2004; Mosci et al., 2013). O estrógeno facilita a
adesão e invasão tecidual pelo fungo e além disso, promove a redução do
infiltrado de leucócitos polimorfonucleares (PMN) e inibição das respostas
imunes inata e adaptativa (Fidel e Sobel, 1999; Fidel, 2007).
As
principais células envolvidas nos mecanismos de defesa inatos são as células
epiteliais vaginais e os PMNs; receptores de reconhecimento padrão, tais como
dectina-1, lectina de ligação à manose, receptor de manose, TLR-2/TLR-4 também
têm sido estudados, além de uma família de proteínas de ligação ao cálcio, as
“alarminas” S100A8 e S100A9, cujo papel na CVV parece estar associado à
atividade quimiotática de PMNs ao local da infecção. A imunidade adaptativa
envolve a participação de células T helper 1 (Th1), essenciais para a
erradicação do patógeno e também, de células Th17, células g/d e T reguladoras, com papeis potenciais na imunorregulação da candidíase
vaginal (Fidel, 2005; Peters et al., 2014). Alterações genéticas ou
polimorfismos nos genes que codificam esses componentes podem estar associados
a maior suscetibilidade e ocorrência de RCVV.

         Entretanto, o papel exato de cada um desses componentes na resposta do
hospedeiro e particularmente na imunopatologia da CVV ainda é bastante
controverso. É importante salientar também que os modelos murinos não
reproduzem exatamente a CVV humana, visto que C. albicans não é um organismo integrante da microbiota normal de
camundongos. A compartimentalização da resposta imune na infecção por C. albicans em diferentes sítios
anatômicos deve ser considerada ao analisar-se os diferentes modelos
experimentais de candidíase. E por fim, maior compreensão dos aspectos
imunopatológicos da CVV pode contribuir para a redução dos custos anuais no
tratamento dessa infecção oportunística que acomete um grande número de
mulheres em todo o mundo.

Figura 1. Modelo de
imunopatogênese da vaginite por C.
albicans
(Peters et al., 2014: Candida vaginitis: when opportunism
knocks, the host responds. PLoS Pathog. 10(4):e1003965).

Referências bibliográficas
Achkar JM, Fries BC. Candida infections of the genitourinary tract. Clin Microbiol Rev.
2010;23:253-73.
Clemons KV, Spearow
JL, Parmar R, Espiritu, Stevens DA. Genetic susceptibility of
mice to Candida
albicans
vaginitis correlates with host estrogen sensitivity. Infect
Immun 2004;72:4878-4880.
Fidel PLJ &
Sobel JD. Murine models of Candida
vaginal infections. Handbook of
Animal Models of Infection. London: Academic Press; p.
741-748, 1999.
Fidel PL. Immunity in vaginal candidiasis. Curr Opin Infect Dis 2005;18:107-111Fidel
PL. History and update on host defense against vaginal
candidiasis. Am J Reprod
Immunol 2007;57:2-12.
Foxman
B, Barlow R, D’Arcy H, Gillespie B, Sobel JD (2000) Candida vaginitis: self
reported
incidence and associated costs. Sex Transm Dis 2000;27: 230–235
Bistoni F, Vecchiarelli A. Mouse
strain-dependent differences in estrogen sensitivity
during
vaginal candidiasis. Mycopathologia
2013;175:1-11.
Peters BM, Yano J, Noverr MC, Fidel PL Jr. Candida
vaginitis: when opportunism knocks, the host responds. PLoS Pathog.2014;10(4):e1003965.
Samaranayake YH,
Samaranayake LP. Experimental oral candidiasis in animal
models. Clin
Microbiol Rev. 2001;14:398-429.
Sobel, J. D. Vulvovaginal candidosis. Lancet 2007;369:1961-71.

 

Post de Angela S. Nishikaku