banner_immuno2018
25 agosto, 2010 • 11:09 Enviado por Joao

Células T reguladoras promovem mudanças fenotípicas e funcionais em macrófagos

Além de regular diretamente linfócitos T efetores, células B, NK, DCs, monócitos e neutrófilos, as células T CD4+CD25+Foxp3+ podem também promover, in vitro, a ativação alternativa de monócitos e macrófagos humanos, como demonstrado por Tiemessen e colaboradores no artigo “CD4+CD25+Foxp3+ regulatory T cells induce alternative activation of human monocytes/macrophages” (PNAS, 2007). A ativação alternativa ocorre na presença de IL-4, IL-13, IL-10, TGF-b e glicocorticóides e induz, em macrófagos M2, a produção de citocinas anti-inflamatórias, como IL-10 e TGF-b, e um aumento na expressão de arginase. Por outro lado, a ativação clássica ocorre através de mediadores pró-inflamatórios como LPS, IL-1b e IFN-g, que induzem macrófagos M1 a produzirem NO e citocinas pró-inflamatórias como TNF-a, IFN-g, IL-6 e IL-12. Com o propósito de investigar se células T reguladoras são também capazes de ativar alternativamente macrófagos em um modelo in vivo, Liu e colaboradores (“Phenotypic and functional switch of macrophages induced by regulatory CD4+CD25+ T cells in mice”, Immunology and Cell Biology, Junho de 2010) inocularam células T reguladoras CD4+CD25+ singênicas na cavidade peritoneal de camundongos SCID (não possuem linfócitos T e B). Os resultados mostraram que os macrófagos peritoneais de camundongos recipientes de células T efetoras apresentaram prevalência de macrófagos M1, e o mais intrigante foi que células T reguladoras além de promoverem a polarização de macrófagos para M2, inibiram a indução do subtipo M1 por células T efetoras, quando administradas concomitantemente. O bloqueio de arginase, IL-10 e/ou TGF-b reverteu a indução de macrófagos M2, sugerindo que células T reguladoras utilizam destas vias para sua polarização. Por ter evidenciado que a regulação da imunidade inata pode ocorrer in vivo por linfócitos T CD4 reguladores, podemos dizer que este trabalho contribui fortemente para o entendimento dos mecanismos que entrelaçam os dois braços da imunidade (inato e adaptativo).
Por Fabrine Sales Massafera Tristão – doutoranda, Imunologia Básica e Aplicada, FMRP, USP