banner_immuno2018
17 junho, 2018 • 9:00 Enviado por IBA FMRP-USP

Micróglia: você não está sozinha

 

Por Mouzarllem Barros e Bruno Marcel (doutorandos IBA/FMRP-USP).

Editora: Luciana Benevides

 

Os organismos dotados de sistema imunológico geralmente apresentam sítios imunoprivilegiados. Isto ocorre no intuito de preservar sítios anatômicos importantes para a vida, dos efeitos deletérios de um possível resposta inflamatória intensa. Dentre estes, incluem por exemplo, os testículos, córnea, útero e, até então se pensava, que o Sistema Nervoso Central (SNC) também fazia parte desse clube. Trabalhos da década de 20 demonstraram que o cérebro de camundongos, ao receber transplantes de sarcoma de outras espécies, não rejeitava os transplantes [1]. No entanto, em um contexto de doença inflamatória, o SNC não é um sítio tão privilegiado assim. Há a intensa migração de linfócitos autorreativos para o cérebro e uma intensa atividade inflamatória (acredita-se que esta migração ocorra devido o aumento da permeabilidade da barreira hematoencefálica) [2]. Trabalhos de 2015 demonstraram ainda que a dura-máter é irrigada por terminações de vasos linfáticos com função de drenagem para a concentração de antígenos nos linfonodos periféricos [3]. Ou seja, existe uma contradição no que se sabe sobre o SNC: até que ponto ele é imunoprivilegiado? Em qual contexto as células imunológicas conseguem migrar para este sítio anatômico? Qual as populações celulares são residentes no encéfalo?

Diante de tal desafio, Mrdjen e colaboradores [4], utilizando a técnica de citometria de massas [5], caracterizaram as populações de células imunológicas no cérebro em diversos contextos: homeostase, envelhecimento e doenças neuro-inflamatórias. Os autores mostraram que o SNC de camundongos em homeostase, é composto por linfócitos T, linfócitos B, monócitos, diferentes subpopulações de células dendríticas, macrófagos associados a borda (BAMs) e micróglias, sendo estas últimas as que estão em maior quantidade (mais de 80%). Pela primeira vez foi definido, de acordo com a expressão de marcadores de superfície, fator de transcrição e tempo de repovoamento, que os BAMs são populações diferentes das micróglias. Essa população de macrófagos foi ainda subdividida em quatro subpopulações, de acordo com a expressão de CD38, CCR2 e MHCII. Além disso, células dendríticas, que tem um papel importante na imunovigilância do SNC também foram identificadas e subdivididas em três populações: células dendríticas convencionais, do tipo 1 e plasmocitóides.

Em contrapartida, durante o envelhecimento, ou em modelo animal de Alzheimer, existe um aumento de linfócito T no SNC, e cerca de 15% das micróglias apresentaram modificações no perfil de ativação, se tornando mais reativas. Ainda, utilizando o modelo de encefalomielite autoimune experimental, foi observado um aumento de células dendríticas derivadas de monócitos, linfócitos T, monócitos inflamatórios LYChigh e células dendríticas convencionais no SNC. Corroborando com dado anterior, 95% das micróglias apresentaram modificações no perfil de ativação (Figura 1). Esse foi o primeiro estudo a identificar e subdividir diferentes células do sistema imunológico no SNC em diferentes condições. Identificar essas células, bem como suas subpopulações pode ajudar a entender os problemas associados com doenças neurodegenerativas e neuroinflamatórias.

Untitled-3

Figura 1. Desenho esquemático da distribuição de células imunológicas no sistema nervoso central de acordo com homeostase, idade e doenças neuro-inflamatórias.

(Mrdjen et al., 2018).

 

Referências

  1. Murphy BYJB. Conditions determining the transplant ability of tissues in the brain. J Exp Med. 1923;
  2. Schreiner B, Heppner FL, Becher B. Modeling multiple sclerosis in laboratory animals. Semin Immunopathol. 2009;31: 479–495. doi:10.1007/s00281-009-0181-4
  3. Louveau A, Smirnov I, Keyes TJ, Eccles JD, Rouhani SJ, Peske JD, et al. Structural and functional features of central nervous system lymphatic vessels. Nature. 2015;523: 337–341. doi:10.1038/nature14432
  4. Subsets M, Mrdjen D, Pavlovic A, Hartmann FJ, Merkler D, Greter M, et al. High-Dimensional Single-Cell Mapping of Central Nervous System Immune Cells Reveals Distinct Resource High-Dimensional Single-Cell Mapping of Central Nervous System Immune Cells Reveals Distinct Myeloid Subsets in Health , Aging , and Disease. Immunity. Elsevier Inc.; 2018;48: 380–395.e6. doi:10.1016/j.immuni.2018.01.011
  5. Spitzer MH, Nolan GP. Mass Cytometry: Single Cells, Many Features. Cell. Elsevier Inc.; 2016;165: 780–791. doi:10.1016/j.cell.2016.04.019.