banner_immuno2018
16 novembro, 2010 • 11:46 Enviado por Sergio Lira

Não complique…

Depois de gastar horas preciosas de minha vida assistindo e dando palestras, cheguei a conclusão na que a grande maioria das palestras é ruim (apesar de em muitos casos a ciência ser boa). As palestras são ruins por várias razões; a mais simples é que nunca fomos ensinados a dar palestras. Repetimos o que vemos e escutamos.
A grande maioria das palestras falha por falta de preparo do palestrante. Umas falham pelo excesso de resultados apresentados, outras pela falta de foco. E muitas falham porque nem todo muito tem talento pra falar em público. Mas existem algumas dicas que podem fazer ate um poste dar uma boa apresentacao (sem nenhuma conotacao politica…).
Fale para a audiência de frente, e não de costas, ou de banda, como a maioria de nós fala. Fale, abrindo a boca, enunciando as palavras claramente, mesmo que seja com um sotaque arretado, feito o meu. Depois, tente passar entusiasmo, energia, paixão. Sem emocão nao se dá um boa palestra. Nada de ler a apresentação, ou de falar como se estivesse prestes a morrer. Olhar pras pessoas, não fixar num ponto ou numa pessoa. Outra coisa, nada de falar no escuro. Mesmo que a projecao fique menos bonita, evite falar no escuro total. O bom palestrante, como um bom ator, usa a voz e o corpo. E, portanto, precisa ser visto.
E nada de complicar. A primeira vez que falei em público foi numa competição na Rádio de Limoeiro, onde fui ler uma redação. Só usava palavra de dicionário. Perdi, claro… Tudo pode (e deve) ser dito usando os termos mais simples. Ser claro e simples é a melhor maneira de fazer com que as pessoas entendam esse húngaro que falamos.
Postura física, a voz, o discurso são importantes. Mas nada e’ mais importante, no meu entender, que respeito a audência. Estar na frente de uma audiência é um favor que se faz ao apresentador, não o contrário. A melhor maneira de respeitar é fazer o maior esforco possivel para que as pessoas na audiencia entendam o que voce esta falando. Outra maneira de respeitar a audiencia é obedecer ao relógio. Falar mais tempo que o estabelecido é desrespeitoso com a audiencia e com os colegas que vão falar a seguir.
As melhores palestras são fruto de muito trabalho. Planeje, ensaie. Meça o tempo. Conte uma estória só. Reuna seus resultados e se prepare para falar para uma audiência que não sabe nada sobre o assunto. Imagine que você está falando pra sua avó. Voce nao vai perder nada se um ou outro expert na audiencia comecar a ficar impaciente, as outras pessoas vao lhe agradecer. E corte, corte na carne, a quantidade de slides. Ja dizia Drummond, “escrever é cortar palavras”. Se isso vale no papel, vale mais ainda nas nossas apresentações….Quantos slides? A regra básica é um slide por minuto. O minuto é importante para que o apresentador descreva o slide. O slide ideal e’ graficamente limpo e de facil compreensão. E tem um titulo que sumariza o que esta sendo mostrado. Quando o número de slides estiver definido, reveja cada slide e interrogue cada componente…Tipo, será que eu preciso de três gráficos nesse slide? O backround distrai? Limpe, limpe bastante. E deixe tempo pra pausa, para o resultado respirar. A pausa é muito importante. Ela dá oportunidade para audiencia integrar o que voce esta falando.
Comece sua apresentacao com um título claro, com seu nome e filiação. Numa fonte única. Anos de experiência me ensinam que se um talk começa com 3 fontes, vai ser um desastre. É um sinal claro do que vem a seguir.
Na introducao, reduza o texto ao mínimo possível. Um slide coalhado de palavras pode simplesmente ser substituído por um modelo, ou um diagrama. Use modelos e diagramas com frequência. Eu os uso no começo e no fim das minhas apresentações. Outras dicas: nada de mostrar banda que não se vê e insistir que ela estava lá, juro por deus. Ou que a projeção nao ajuda. Banda é banda na parede. Também não caia na tentação de dizer: isso já está publicado, não vou mostrar. Com todo devido respeito, não lemos todos os seus papers…Se é importante, repita, mostre de novo. 99% das pessoas se esquece de 99% do que viu.
Pros slides com fotos de espécime, ou histologia, algumas dicas. Primeiro: pra mostrar bem, mostre inteiro. Nunca entendi a insistência das pessoas em mostrar uma bela foto em 10% do espaço de projeção. Eu uso mais espaço, com frequência uso o espaço todo do slide, e sempre uso fundo escuro, principalmente para imunofluorescencias. Segundo: existem regras básicas de fotografia tipo luminosidade, foco, composição, white balance, que tem que ser obedecidas. Foto científica não é diferente das outras. Não é preciso equipamento sofisticado, basta prestar atenção ao que se quer mostrar. Se possível não use pointer. É o bicho mais nocivo que tem. Se não tiver outro jeito acenda e apague no local da tela, em vez de sacolejar.
Por fim, seja atencioso e gentil com as perguntas e simplesmente diga que não sabe se esse for o caso. Não invente, não embrome. E se alguém fizer um comentário agressivo ou grosseiro (o que é raro) devolva com um sorriso, seja educado, saia por cima. É a melhor resposta.
Pra terminar… Se voce quiser mesmo aprender a dar uma boa apresentacao de uma olhada nisso aqui…
Um blog
Uma boa apresentacao
Um livro

  • ótimas dicas…
    adorei

  • excelente post!

  • .

    Parabéns pela iniciativa, Sérgio. Não é a toa que suas apresentações são sempre sensacionais. Se todos os pesquisadores se preocupassem um pouco mais com suas palestras, nossos congressos renderiam bem mais, assuntos desconhecidos ficariam mais interessantes, e no fim, o lucro seria de todos nós. Fica a dica!

  • Belo post, bem-vindo ao blog!

    Abraço

  • Realmente um post descomplicado. simples, limpo e bastante util. Obrigado Sergio pelo post. abraço

  • Welcome to the club, Sérgio!!

  • pessoal, muito obrigado pela acolhida e pelos comentarios!!

  • Indicações muito úteis e por quem sabe cumpri-las.
    Boas vindas a bordo!

  • Mauro Fantini

    Eu também estive achando que a maioria das palestras são ruins. Estava me achando muito chato, mas fico feliz de ver que tem gente que concorda.

    Post pertinentíssimo!

  • Anônimo

    Será por isso que as suas duas palestras foram as minhas preferidas na SBI em POA?
    Anônimo ( para nāo chatear ninguém) .

  • Oi Sérgio,
    Muito bom! Obrigada pelas dicas!

  • Rayssa

    Realmente preparo e dedicação é tudo, principalmente quando se tem dificuldade para falar em público! Adorei as dicas!!

  • Anônimo

    Obrigado Sergio, suas dicas servem não somente para a transmissão clara do que se quer apresentar, mas também para despertar novas vocações, uma vez que o interesse ou não por um determinado tema vai muito da forma como o mesmo é apresentado!!

    Thanks!
    Lucas

  • Sérgio,
    Golaço no primeiro minuto do jogo! Parabéns e bem-vindo ao blog.
    Olha, assisto a muitas palestras todas as semanas e fico sentida quando vejo que uma discussão que poderia ter sido riquíssima acaba não acontecendo por falta de uma apresentação clara e instigante, nos moldes descritos por você.
    Falar de um jeito simples é o segredo mesmo, concordo plenamente.
    Parabéns novamente e obrigada por compartilhar!

  • Anônimo

    Fantastico esse post. Joao

  • GK

    Excelente post e realmente muitas dicas dessas nós não seguimos.

  • M Bozza

    Esse tal de Sergio acaba de chegar e ja vai roubando a atençao. Assim nao e possivel.

  • Anônimo

    Se você não sabe explicar para sua avó, você não entende do que está falando (sua avó não pode ser expert na sua área, claro).

  • Sergio, concordo 100% com as dicas. Ótimo!
    Só tenho um comentário sobre apresentação de resultados já publicados. Sem dúvida é importante apresentar e explicar o que já foi publicado, principalmente em congressos gerais (como por exemplo, os da SBI). Mas o que tenho visto em congressos específicos são apresentações em que não se vê nada de inédito. Não sei se é por medo da competição ou se pela facilidade de fazer um "copy/paste" da figura do pdf do artigo… de qualquer forma é uma pena porque um ponto importante em participar de congressos é ver e discutir idéias, "research in progress" e ciência inédita…

  • Opa Dario, tudo bom? Essa e' uma area que vale um post inteiro…No caso especifico do meu post, estava aludindo a falta de informacao, sobre o trabalho previo que impede o entendimento do que esta sendo discutido….Vejo tambem o mesmo problema que voce ve em muitas palestras…Porque isso acontece e como evitar? Acho que é muito dificil voce apresentar sempre uma coisa nova, mas acredito que sempre se pode provocar, instigar, como disse Cris ai em cima.

    Seria otimo que a gente pudesse discutir isso mais… Quem se habilita?

  • Por coincidencia acabei revendo esta apresentação antes da minha ap. oral neste SBI, exatamente pq a tenho como modelo de boa palestra.Realmente, até minha avó entenderia!
    Excelente post!!Recomendo a todos, alunos e pesquisadores!