banner_mucosal_salvador
18 junho, 2017 • 8:20 Enviado por IBA FMRP-USP

Para os neutrófilos tamanho é documento sim!

Por: Gabriela Pessenda e Paula Viacava

Editora Chefe: Vanessa Carregaro

Um ponto ainda desconhecido na resposta contra patógenos é como o número de células imunes é ajustado durante uma infecção. Já é conhecido que neutrófilos podem produzir IL-1β, através da ativação de inflamassomas, e que essa citocina também auxilia no recrutamento destes fagócitos. Em 2014 foi demonstrado pelo grupo de Papayannopoulos que os neutrófilos possuem a capacidade de distinguir o tamanhos de patógenos e liberar NETs (neutrophils extracelular traps) apenas contra patógenos grandes que não são fagocitados [1]. Em um novo trabalho realizado pelo mesmo grupo, e publicado em março na revista Immunity, foi descoberto o papel das espécies reativas de oxigênio (ROS) como sensores do tamanho de patógenos [2]. A localização diferencial de ROS, produzida por neutrófilos em resposta a fungos de tamanhos diferentes, regula a expressão da interleucina IL-1β, através da oxidação seletiva de NF-kB, induzindo diferentes processos inflamatórios. Patógenos pequenos, exemplificado por leveduras, desencadeiam a produção de ROS intracelular, resultando na oxidação de NF-kB e redução na produção de IL-1β, o que limita o recrutamento de neutrófilos, visto que cada fagócito é capaz de eliminar inúmeras leveduras. Por outro lado, patógenos maiores como fungos na forma de hifas, desencadeiam a produção de ROS extracelular, permitindo a ativação de NF-kB intracelular e aumento da produção de IL-1β. Essa citocina atua no recrutamento de grandes quantidades de neutrófilos, resultando na formação de clusters cooperativos. O bloqueio da produção de ROS resulta em grandes infiltrados e aglomerados de neutrófilos, mesmo em resposta a patógenos pequenos. Os achados enfatizam o impacto da localização de ROS na sinalização e resposta de neutrófilos, indicando que a localização diferencial da sua produção permite com que os neutrófilos regulem a resposta inflamatória modulando o recrutamento de outros neutrófilos e cooperando efetivamente para eliminar patógenos com diferentes tamanhos.

Post 12

Figura 1: A produzção de ROS por neutrófilos permite a detecção dos diferentes tamanhos de patógenos e regulação da resposta inflamatória. Patógenos pequenos e que são fagocitados pelos neutrófilos induzem a produção de ROS intracelular, resultando na oxidação de NF-kB e menor produção de IL-1β. Patógenos grandes e que não podem ser fagocitados induzem a produção de ROS extracelular permitindo a ativação de NF-kB e produção de altos níveis de IL-1β, que atua no recrutamento de mais neutrófilos, contribuindo com a eliminação do patógeno.

 

Referências

  1. Branzk, N., et al., Neutrophils sense microbe size and selectively release neutrophil extracellular traps in response to large pathogens. Nat Immunol, 2014. 15(11): p. 1017-25.
  2. Warnatsch, A., et al., Reactive Oxygen Species Localization Programs Inflammation to Clear Microbes of Different Size. Immunity, 2017. 46(3): p. 421-432.