banner_immuno2018
22 outubro, 2013 • 9:00 Enviado por Andrea Teixeira

Reprogramando Macrófagos Associados a Tumores

Perfil de
expressão gênica de macrófagos associados a tumores tratados com inibidor de
CFS-1 (BLZ945) mostraram uma expressão diminuída de marcadores de polarização
de Macrófagos do Tipo 2 (M2) alternativamente ativados. Fonte: Pyonteck et al., 2013.

Glioblastoma
multiforme (GBM) é a forma mais agressiva de glioma, em que os pacientes
respondem minimamente as terapias atuais, incluindo cirurgia, radiação e
quimioterapia. Um desafio no tratamento desse tipo de tumor é sua heterogeneidade
genética, levando à ativação aberrante de múltiplas vias de sinalização. Por
outro lado, céluas estromais não cancerígenas presentes no ambiente do tumor
são alvos terapêuticos geneticamente estáveis.
Macrófagos
associados a tumores (TAMs) facilitam o crescimento tumoral por estimularem
células cancerígenas a proliferaram, por auxiliarem essas mesmas células nos
processos de evasão do sistema imune e por promoverem angiogênese. Em pacientes
com câncer, altos níveis de TAMs estão frequentemente correlacionados com pior
prognóstico. Dessa forma, essas células
são alvo importante para novas terapias contra o câncer. Nesse contexto, a maioria
delas se concentra em destruir os TAMs.
Numa concepção
oposta, recentemente, dados publicados na revista Nature Medicine por pesquisadores
liderados pela Dra. Johanna A Joyce do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center
em Nova York descreveram uma terapia promissora que age não destruindo TAMs,
mas reprogramando essas células para que elas percam sua função promotora de
tumores e adquiram funções supressoras de tumores. Utilizando um modelo murino
de glioma, um tumor cerebral que é resistente à maioria das terapias, os
autores demonstraram que a administração de um inibidor (BLZ945) do receptor para
o fator estimulador de colônia 1 (CSF-1R), uma proteína de sinalização que
regula a diferenciação de macrófagos, leva à regressão tumoral.
Nesse contexto, a sobrevivência de TAMS foi promovida por citocinas secretadas pelas
células do glioma como IFN-gamma e GM-CSF. Além disso, o uso do inibidor
produziu expressão gênica diminuída de marcadores de
macrófagos alternativamente ativados tipo 2 (M2) nos TAMs murinos. De forma
interessante, um padrão similar de expressão gênica apresentado por TAMS
presentes em GBM humano está correlacionado com o aumento da sobrevida dos
pacientes. Os resultados identificaram TAMs como alvos terapêuticos promissores
para o tratamento de gliomas.
Referência

Pyonteck SM,
Akkari L, Schuhmacher AJ, Bowman RL, Sevenich L, Quail DF, Olson OC, Quick ML,
Huse JT, Teijeiro V, Setty M, Leslie CS, Oei Y, Pedraza A, Zhang J, Brennan CW,
Sutton JC, Holland EC, Daniel D, Joyce JA. CSF-1R inhibition alters macrophage polarization and blocks glioma
progression. Nat Med. 2013 Oct;19(10):1264-72. doi: 10.1038/nm.3337. Epub 2013
Sep 22.