banner_immuno2018
23 junho, 2018 • 10:46 Enviado por Luara Isabela Santos

Tfh: uma célula cheia de atitude

Tfh

A geração sistêmica de memória imunológica passa necessariamente pelas mãos do linfócito B. Esse, por sua vez, conta com ajuda essencial do linfócito T folicular (Tfh), um provedor especializado em ativar a célula B a se perpetuar como B de memória e célula produtora de imunoglobulinas. Além de induzir a formação de centros germinativos em órgãos linfoides, a Tfh os mantém, regulando a diferenciação de células B. Apesar dos desacordos na literatura a respeito da identidade dessa célula, não se pode negar sua plasticidade e sua característica em se comportar como outras subpopulações de T auxiliar, seja na expressão de receptores, seja na produção de citocinas.

Desde o início dos anos 2000, Tfh é foco de estudos em doenças autoimunes visto que, uma de suas funções, é gerar respostas de anticorpos de alta afinidade e de longa duração. Mas sua caracterização tem sido frequente em outras patologias, como na malária, por exemplo. Não obstante tenha sido proposto que a expansão das células Tfh antígeno-específicas, a produção de interleucina-21 e a formação do centro germinativo estão associadas à proteção contra a malária em camundongos, permanece desconhecido o fato de Tfh desempenhar ou não funções durante a infecção por Plasmodium vivax. Em estudo recente, desenvolvido em região endêmica de malária, foi observado que a infecção por P. vivax desencadeia produção de IL-21 e aumento das Tfh circulantes. Como esperado, Tfh induziu produção de imunoglobulinas por células B naives. Somado a isso, a infecção por P. vivax alterou o compartimento das células B e essas alterações foram dependentes do número de infecções anteriores. À primeira exposição, os pacientes tiveram proporções aumentadas de células B de memória ativada e atípica e proporções diminuídas das células B de memória clássica, enquanto que os pacientes que passaram por múltiplos episódios, apresentam o inverso, proporções mais baixas de células B atípicas e mais altas de célula B de memória clássica. Nesse trabalho, pacientes com mais de cinco infecções apresentaram mais células Tfh e produziram anticorpos específicos.

Existe forte interesse em aproveitar as células Tfh para melhorar estratégias de vacinação. No geral, observamos avanços nesse campo, entretanto há muito a aprender sobre a biologia celular das Tfh no interesse de aplicar esse conhecimento às necessidades biomédicas.

Link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5519210/

 

Referências

  1. Figueiredo MM, Costa PAC, Diniz SQ, Henriques PM, Kano FS, Tada MS, et al. (2017) T follicular helper cells regulate the activation of B lymphocytes and antibody production during Plasmodium vivax PLoS Pathog 13(7): e1006484. https://doi.org/10.1371/journal. ppat.1006484.
  2. Crotty Shane (2014). T follicular helper cell differentiation, function, and roles in disease. 2014 October 16; 41(4): 529–542. doi:10.1016/j.immuni.2014.10.004.

Escrito por Maria Marta Figueiredo (pos-doc na Universidade Federal de Minas Gerais)