banner_immuno2018
15 julho, 2016 • 5:52 Enviado por Dinler Antunes

Utilidades do My NCBI: My Bybliography, Biosketch e gerenciamento de buscas bibliográficas

A plataforma Lattes faz parte do cotidiano dos cientistas brasileiros desde 1999, representando a consolidação de um esforço de padronização que começou nos anos 80. A iniciativa foi recentemente reconhecida como um exemplo de boas práticas no artigo Let’s make science metrics more efficient, publicado na revista Nature (edição de 25 Março de 2016). Dois dos aspectos mais interessantes da plataforma Lattes são a centralização dos currículos em um mesmo repositório, com formato padronizado, e a existência de um identificador único para cada pesquisador. O primeiro ponto facilita o acesso a informação e a avaliação de pesquisadores em concursos, pedidos de financiamento, etc. Já o segundo ponto evita problemas decorrentes de nomes semelhantes ou iguais.

Recentemente as agências americanas começaram um processo semelhante através do SciENcv. Uma tentativa de padronizar os formatos dos currículos dos pesquisadores norte-americanos, visando sobretudo facilitar o processo de avaliação durante pedidos de financiamentos ou prestação de contas. As duas principais agências federais para financiamento em pesquisa nos EUA, NSF and NIH, estão agora solicitando que os pesquisadores ajustem seus currículos para um formato resumido, referido como Biosketch. Em resumo, o formato escolhido é um documento com até 5 páginas, contendo informações básicas sobre o pesquisador e suas publicações. No entanto, ao invés de simplesmente listar suas publicações em ordem cronológica, o pesquisador precisa enumerar suas contribuições científicas. Ou seja, resumir em um parágrafo quais objetivos (conclusões) foram alcançados em uma dada linha de pesquisa, indicando abaixo até 5 publicações que dão suporte a esta afirmação. Embora o usuário possa criar seu Biosckecth manualmente, utilizando um modelo, o mais interessante é que este currículo pode ser gerado de forma interativa através do My NCBI. Como você pode estar imaginando, 5 páginas não é espaço suficiente para listar todas as contribuições de muitos pesquisadores. Mas a ideia é justamente esta. Ao invés de ter um currículo “fixo” e completo, utilizado para todos os propósitos, o objetivo é gerar um currículo resumido (Biosketch) focado nos pontos que são importantes para aquele determinado financiamento ou prestação de contas. Para cada novo projeto/concurso, o pesquisador gera um novo Biosketch, um processo que se torna bastante simples utilizando-se o My NCBI.

Qual a importância disso para os pesquisadores Brasileiros? Conforme mencionado anteriormente, nós estamos muito bem servidos com o currículo Lattes e este deverá continuar sendo o formato padrão para os pesquisadores brasileiros. No entanto, nós também utilizamos diariamente o PubMed para pesquisas bibliográficas e os recursos do NCBI são reconhecidos e utilizados por pesquisadores de diversos países. Deste modo, um conhecimento básico do My NCBI pode ser bastante útil, sobretudo no contexto de colaborações internacionais. Após fazer fazer login na plataforma, o usuário pode construir sua própria biblioteca de publicações (My Bybliography). É possível importar publicações que estão no PubMed, ou inserir manualmente outras publicações (ex., artigos publicados em congressos, livros/capítulos ou publicações de áreas que não são contempladas pelo PubMed). Uma vez criada a sua biblioteca, se torna muito simples criar um Bioscketch personalizado. Basta acessar a janela SciENcv. Estes Bioscketchs podem ser uma alternativa interessante para compartilhar uma versão resumida do seu currículo com colaboradores internacionais (embora o Lattes também permita compartilhar uma versão em inglês do seu currículo completo).

Mas provavelmente o detalhe mais interessante seja a possibilidade de gerar um link para a sua biblioteca pessoal (My Bybliography). O usuário pode definir se o conteúdo desta biblioteca é público ou privado. Caso opte pela versão pública, o usuário pode gerar e compartilhar um link para sua lista de publicações, como se fosse uma busca personalizada no PubMed.

Embora pareça um pouco complicado em um primeiro momento, a ferramenta é bastante intuitiva e em poucos minutos é possível criar sua biblioteca e gerar o link para compartilhamento. Apenas para exemplificar, compartilho aqui a minha biblioteca pessoal. Para quem quiser maiores informações, existe um vídeo-tutorial no canal do NCBI (YouTube) e um passo-a-passo no My NCBI Help.

 

PubmedSearch2

Figura 1. Exemplo de busca no PubMed utilizando o buscador Entrez do NCBI.

 

Por último, o My NCBI também pode ser utilizado para gerenciar buscas bibliográficas. Embora isso não seja nenhuma novidade, cabe aqui relembrar algumas das ferramentas oferecidas para a realização de pesquisas “automáticas”. Ao realizar uma busca em um dos bancos de dados do NCBI, por exemplo o PubMed (Figura 1), o usuário pode salvar esta busca para ser automaticamente notificado no futuro. Uma das formas de se fazer isso é através da criação e assinatura de um RSS específico para aquela busca (Create RSS, Figura 1). Sempre que um novo artigo for compatível com as palavras chaves da busca, esta informação será enviada para o seu leitor de RSS (saiba mais sobre leitores de RSS: intro, top10). Alternativamente, é possível criar alertas de e-mail. Neste caso o usuário define a frequência e o formato com que os resultados destas buscas serão enviados por e-mail. Obviamente, esta opção tem a “desvantagem” de aumentar o número de e-mails na sua caixa de entrada, o que pode se tornar um transtorno dependendo do número de alertas criados. Mas isso pode ser resolvido criando-se filtros no seu gerenciador de e-mails, que podem arquivar automaticamente estes alertas. Além disso, todas as buscas salvas (Create alert, Figura 1) aparecem no seu My NCBI. Esta é uma forma bem interessante de gerenciar suas buscas. Ela dispensa a necessidade de se usar um leitor de RSS (embora o RSS tenha outras vantagens), e oferece uma experiência melhor do que simplesmente rastrear uma pasta cheia de e-mails não lidos. Já na página de entrada do My NCBI, por exemplo, o usuário tem um resumo das buscas recentes e o total de novos artigos compatíveis com cada um dos alertas criados.

Para os interessados, o NCBI também fornece vídeo-tutoriais e documentação sobre como criar e gerenciar buscas. Outro material importante neste contexto é o Entrez Help, com as informações de como utilizar o buscador do NCBI. O crescente volume de publicações e a crescente multidisciplinaridade das pesquisas torna cada vez mais difícil se manter atualizado quanto a literatura da área. Neste contexto se tornam extremamente úteis as ferramentas que permitem a realização de buscas personalizadas, capazes de encontrar conteúdos específicos considerando todas as revistas indexadas.