Grupo da UFMS trabalha com a avaliação sistêmica integrada da Covid-19 em Mato Grosso do Sul
15 de abril de 2020
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Liderado pelo pesquisador e professor da Faculdade de Medicina (FAMED) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), James Venturi, o foco da pesquisa deste grupo é a avaliação sistêmica integrada da covid-19 em Mato Grosso do Sul. Abrangendo os aspectos moleculares, epidemiológicos, clínicos, imunológicos e de vigilância. O grupo já conseguiu a validação do equipamento para diagnóstico.

Coordenadores gerais do Projeto: James Venturini e Ana Rita Coimbra de Castro Motta

 
“Algumas ações do Núcleo de Evidências estão adiantadas para produção de rapid reviews e já foram discutidas com as superintendências e equipes técnicas de dois hospitais públicos de Campo Grande/MS”, afirma Venturini. O pesquisador também conta que, atualmente, o projeto encontra-se em análise ética junto ao CONEP e o laboratório está passando por adaptações para a aumentar os aspectos de biossegurança. 
A UFMS está recebendo um repasse de recursos do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul no valor de R$ 800 mil. Essa verba será destinada para auxiliar na fase inicial do projeto (diagnóstico e vigilância virológica de profissionais da saúde). “Até o momento estamos apenas com financiamento para os primeiros passos (coleta de amostras e diagnóstico molecular”, comenta o pesquisador. 
 
Por ser uma proposta muito abrangente, a equipe do projeto é multidisciplinar, contando com mais de 50 colaboradores locais envolvidos. As instituições envolvidas são: Fiocruz Mato Grosso do Sul, Fiocruz Manguinhos, Embrapa Gado de Corte, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL/Bauru),  Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN/MS) e Stanford University (EUA). O grupo já realizou a primeira síntese de evidência (rapid reviews) sobre a eficácia e segurança de métodos de descontaminação de máscaras de proteção respiratória modelo N95/PFF2 contra vírus respiratórios.
 
O grupo precisa de colaboração nas seguintes áreas: nos estudos de imunogenética (SNPs de mediadores inflamatórios) colaborações para aumentar casuística; orientações/treinamento para implantação de plataforma Luminex e alinhamento/padronização dos painéis para imunofenotipagem de células mononucleares possibilitando comparações e, assim, maior impacto nos resultados.
 
 
 
*Informações concedidas pelo grupo de pesquisa

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
O post do SBlogI que virou colaboração internacional sobre a dinâmica do HLA-G
11 de novembro de 2020
As vacinas ainda são problemas
Nelson Vaz
29 de outubro de 2020
Dois vídeos
Nelson Vaz
22 de outubro de 2020