Cientistas apresentam primeiro diagnóstico brasileiro para Hepatite E
29 de junho de 2017
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Pesquisa também aponta que a região do sul do país pode ser endêmica para o vírus

Estudo realizado na Universidade de Passo Fundo desenvolveu o primeiro diagnóstico brasileiro para detecção de anticorpos do vírus da Hepatite E que, durante a fase de testes, se mostrou tão eficiente quanto o ELISA (sigla para Enzyme-Linked Immunosorbent Assay). A pesquisa utilizou como base um antígeno recombinante derivado da proteína do capsídeo viral (ORF2p), e demonstrou seu potencial para detectar o anticorpo IgG contra o genótipo 3, o mais recorrente no Brasil.

O trabalho foi publicada na revista científica Plos One e é resultado da dissertação de mestrado do médico veterinário e pesquisador Rafael Pandolfi, sob orientação do imunologista Rafael Frandoloso, coordenador da Divisão de Pesquisa da Universidade de Passo Fundo.

“É importante possuírmos um diagnóstico brasileiro para a Hepatite E pois, além de diminuir os custos na aplicação do teste, também se torna específico para o genótipo mais frequente da nossa Região”, explica Pandolfi.

Durante a fase de testes os cientistas se depararam com uma surpresa. O diagnóstico foi aplicado em 780 doadores de sangue da região do planalto médio do sul do Brasil e 314, ou seja, cerca de 40%, se mostraram positivos para IgG. De acordo com Pandolfi, a alta prevalência de anticorpos anti-HEV genótipo 3 sugere, pela primeira vez, que está região pode ser endêmica para o vírus da Hepatite E.

As principais formas de transmissão da Hepatite E genótipo 3 são por meio da transfusões de sangue, transplante de órgãos e via oral e fecal nos países em desenvolvimento. Já em países industrializados, a forma mais comum é através da ingestão de alimentos provenientes de animais infectados como suínos e javalis, ou até mesmo pelo contato direto com estes animais.

Um relatório recente indicou que a infecção em indivíduos imunocomprometidos pode desencadear hepatite aguda fulminante, reforçando a necessidade da aplicação do teste entre doadores de sangue.

Leia o estudo completo publicado na Plos One aqui.

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Aberta votação para representações regionais da SBI
comunicação sbi
12 de março de 2019
SBI seleciona jovem pesquisador para workshop de imunoterapia em Lisboa
comunicação sbi
19 de fevereiro de 2019
Vídeo: aplicações dos microarranjos de peptídeos
comunicação sbi
14 de fevereiro de 2019