Estudo desvenda ativação de inflamassomas na resposta imune à infecções
01 de agosto de 2017
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Pesquisa realizada no Departamento de Biologia Celular e Molecular e Bioagentes Patogênicos da Universidade de São Paulo foi capa do periódico Cell Reports no mês de julho. O estudo analisou como diferentes inflamassomas são responsáveis por regular a indução de um processo inflamatório para assegurar a resposta imune efetiva à infecções.
O projeto foi coordenado pelo imunologista Dario Zamboni e demonstrou que a AIM2, uma proteína capaz de reconhecer o DNA de micróbios no citoplasma de células infectadas, induz a ativação do receptor NLRP3. Uma vez ativado, o NLRP3 induz um processo inflamatório que irá combater a infecção.
Para a realização do estudo foi utilizada a bactéria Legionella pneumophila como modelo de agente infeccioso.
“Com este trabalho contribuímos para a compreensão de como as células do sistema imune inato reconhecem e combatem as infecções microbianas, é interessante que uma proteína que induz um inflamassoma, o AIM2, é capaz de utilizar uma forma ativa, mas não clivada de caspase-1 para induzir a ativação de um segundo inflamassomo, o NLRP3”, explicou Zamboni.
Leia o estudo completo aqui.

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
Imunodeficiências primárias - perguntas e respostas
SBI Comunicação
05 de maio de 2021
Vacinação contra COVID-19 e a procura por testes para detecção de IgG
SBI Comunicação
30 de abril de 2021
Mas, afinal, o que é a imunidade de grupo?
SBI Comunicação
30 de abril de 2021