Nota Técnica sobre a Vacina da Dengue
20 de dezembro de 2017
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

A Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) endossa a Nota Técnica emitida pela Sociedade Brasileira de Medicina Tropical e diversas outras sociedades médicas. A Nota na Íntegra encontra-se neste link.

Abaixo os principais pontos da Nota. Pedimos à toda comunidade que leia e divulgue.

  • A vacina Dengvaxia® não deve ser administrada em indivíduos que não tenham sido previamente infectados pelo vírus da dengue.
  • Aqueles que iniciaram e ainda não completaram o esquema vacinal e desconheciam seu status sorológico prévio à vacinação, devem ter sua avaliação individualizada, já que não se dispõem de dados sobre o risco maior de doença grave de acordo com o número de doses recebidas. Fatores como as características da doença na região onde o paciente vive, a intensidade da transmissão e a idade devem ser considerados na decisão da continuidade ou não do esquema vacinal.
  • A avaliação da utilização da vacina em programas públicos deve levar em consideração a avaliação de risco e benefício. Em regiões de alta endemicidade o benefício da imunização pode superar o risco atribuível da vacinação de soronegativos, uma vez que infecções pós-primárias deverão ocorrer independentemente da vacinação.
  • Para a introdução da vacina dengue em programas públicos, estudos epidemiológicos passam a desempenhar um papel crucial na decisão. Locais com intenção de introduzir a vacina contra a dengue devem avaliar sua capacidade de monitorar e avaliar a efetividade e segurança da vacina e, se necessário e possível, aprimorar seus sistemas de vigilância e sistemas de monitorização existentes, especialmente em países de renda média e baixa.
  • Os indivíduos soronegativos para dengue e/ou sem conhecimento prévio do seu status sorológico que foram vacinados devem ser monitorados com maior atenção. Caso algum destes indivíduos vacinados apresente sinais e sintomas sugestivos de dengue, o acesso aos serviços médicos deve ser priorizado para que recebam das equipes médicas uma avaliação e manejo adequados, minimizando desta forma o risco de complicações.. Essas recomendações estão alinhadas com a recente publicação feita pelo Comitê Consultivo Global da OMS sobre Segurança de Vacina (GACVS da sigla em inglês – Global Advisory Committee on Vacine Safety) sobre Dengvaxia®

    . O estudo apresentado pelo laboratório Sanofi Pasteur projeta o benefício e a segurança da vacinação de indivíduos previamente expostos (soropositivos), onde estima-se uma redução de 15 casos de hospitalização e 4 casos de dengue grave (segundo critérios da OMS – 1997) para cada mil vacinados em 5 anos

    . Essa avaliação, ainda que preliminar, sugere que aproximadamente 5 casos adicionais de hospitalização e 2 casos adicionais de dengue grave  ocorram para cada mil crianças e adolescentes de 2 a 16 anos de idade soronegativos vacinados, em um segmento de 5 anos, quando comparadas ao risco em não vacinados

    . No Brasil, o Estado do Paraná, que incorporou a vacina em 2016, em 30 municípios com alta incidência da doença, no momento, não fará alterações em seu programa de vacinação.

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Aberta votação para representações regionais da SBI
comunicação sbi
12 de março de 2019
SBI seleciona jovem pesquisador para workshop de imunoterapia em Lisboa
comunicação sbi
19 de fevereiro de 2019
Vídeo: aplicações dos microarranjos de peptídeos
comunicação sbi
14 de fevereiro de 2019