SBI endossa nota da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical sobre Plano Estratégico de vacinação contra febre amarela
19 de janeiro de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

A Sociedade Brasileira de Imunologia endossa a nota emitida pela Sociedade Brasileira de Medicina Tropical a respeito do  Plano Estratégico de vacinação contra febre amarela.

Leia a nota completa abaixo.

A Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) endossa as recomendações do Programa Nacional de Imunização (PNI) publicadas em janeiro de 2018 sob a forma de Plano Estratégico de vacinação contra febre amarela e faz as seguintes considerações:Estudos realizados por Bio-Manguinhos/Fiocruz sugerem que a dose fracionada da vacina contra febre amarela – correspondente a 1/5 da dose padrão, contendo concentração viral maior do que a exigida pela OMS – estimula resposta adequada de anticorpos.Entretanto até o presente momento, não existem dados sobre a imunogenicidade da dose fracionada em pacientes com comprometimento imunológico e tampouco há evidências de que a dose fracionada cause menos eventos adversos graves pós-vacinação. Dessa forma, a SBMT enfatiza que a vacina contra a febre amarela não deve ser recomendada para indivíduos imunodeprimidos ou imunossuprimidos.

Ainda, a SBMT, em consonância com as recomendações do PNI, não recomenda o uso da dose fracionada para crianças menores de dois anos de idade, gestantes e pessoas com doenças imunodepressoras ou usuárias de medicamentos imunossupressores, em virtude de não haver estudos que demonstrem a imunogenicidade da dose fracionada nesses grupos populacionais.

Excepcionalmente, a indicação da vacina contra febre amarela em indivíduos imunodeprimidos ou imunossuprimidos deve ser cautelosamente avaliada nas situações de elevado risco epidemiológico. Nessa situação, a indicação deve levar em consideração a opinião de especialistas para avaliar o grau de imunodepressão inerente à doença de base; grau de imunossupressão causada pelos medicamentos e o risco de apresentar eventos adversos graves. A dose padrão da vacina deve ser aplicada nesses casos, conforme internacionalmente recomendado pela Organização Mundial da Saúde e preconizado pelo PNI, no Brasil. Os indivíduos vacinados nessas condições devem ser rigorosamente acompanhados quanto à possibilidade de desenvolvimento de eventos adversos graves.

Finalmente, a SBMT entende que a situação epidemiológica atual pode propiciar cenários para o estudo de diferentes estratégias de vacinação, incluindo o uso ou não da dose fracionada em populações específicas. Esses estudos devem ser incentivados e conduzidos dentro dos mais elevados padrões éticos e científicos que permitam a produção de novo conhecimento com a participação voluntária, consentida, equânime e justa dos membros das populações afetadas pelo agravo.

Diretoria da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Confira a programação de recesso da SBI
comunicação sbi
21 de dezembro de 2018
Associados da SBI são nomeados membros titulares da Academia Brasileria de Ciências
comunicação sbi
13 de dezembro de 2018
Aprovados no Programa de Auxílio a Eventos da SBI - Chamada 2019/1
comunicação sbi
14 de dezembro de 2018