O papel do gene AIRE na tolerância imunológica
22 de janeiro de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Biólogo molecular Geraldo A. Passos é convidado a escrever revisão sobre o gene AIRE para revista britânica Immunology

Quando o assunto é tolerância imunológica o gene AIRE, uma sigla em inglês para Regulador Autoimune, vem ganhando cada vez mais o interesse de imunologistas e geneticistas, entre eles o pesquisador Geraldo A. Passos, responsável pelo Laboratório de Imunogenética Molecular da Faculdade de Medicina e de Odontologia de Ribeirão Preto (USP). No ano passado, Passos e sua equipe foram convidados a elaborar uma revisão sobre o gene AIRE para a revista científica britânica Immunology, o resultado foi capa da edição de janeiro de 2018.

Quando o sistema imunológico está em seu funcionamento normal, ele ataca elementos chamados de “não próprios” como patógenos, bactérias, vírus, fungos, protozoários e etc, ou seja, que não são do corpo, e preserva os constituintes “próprios”. Mas como as células de defesa reconhecem o próprio e o não próprio? É neste momento que o gene AIRE mostra sua importância.

Dentro da glândula do timo, especificamente nas células epiteliais medulares tímicas (mTECs), o gene AIRE controla a expressão de milhares de autoantígenos. Isso servirá para apresentar aos timócitos (células T imaturas ainda dentro do timo) quais são as proteínas que constituem o “próprio” do corpo. Aqueles clones de timócitos que “atacam” as proteínas próprias são eliminados ainda dentro timo, antes que migrem à periferia. Esse processo é chamado na imunologia de “seleção negativa” e didaticamente de “educação tímica” dos linfócitos T.

“Podemos tomar o surgimento do diabetes mellitus do tipo 1 (DM-1), que é uma doença autoimune, como exemplo. O timo mostra aos timócitos a insulina, proteína expressa pelo pâncreas e que regula o equilíbrio da glicose no sangue. Se houver algum clone de timócito que ataca a insulina, esse clone é então eliminado durante a seleção negativa e não sai para a periferia. Caso contrário, se esse tipo de clone que é também chamado de “auto reativo” escapar para a periferia, poderá atacar as células beta do pâncreas que produzem a insulina, diminuindo sua produção até que a pessoa adquira um quadro clínico de DM-1.”, explicou Passos.

Quando este gene não funciona corretamente podem surgir outras doenças auto imunes além do DM-1 como a artrite reumatoide, o lúpus eritematoso sistêmico, a poliendocrinopatia do tipo 1 (APS-1) e outras.

 

Perspectivas na pesquisa

Mas nem sempre foi conhecida a importância do gene AIRE na  tolerância imunológica. Os estudos na área se iniciaram em 1997, quando o gene foi descrito e associado a uma síndrome hereditária rara conhecida como poliendocrinopatia autoimune. De acordo com Passos, naquele período os cientistas ainda não vislumbravam a importância desse gene e as pesquisas foram ganhando espaço nos últimos anos.

Apesar de no exterior já haverem diversos grupos de pesquisa analisando a função do gene AIRE, no Brasil pouquíssimos laboratórios têm explorado esse ramo. “Esse estudo da imunogenética molecular é pioneiro no Brasil, nós estamos conseguindo colocar o país em evidência neste tipo de pesquisa das bases moleculares da tolerância imunológica”, ressalta Passos.

Leia a revisão completa publicada na revista Immunology clicando aqui. E para conhecer mais pesquisas sobre o gene AIRE e outras realizadas pelo Laboratório de Imunogenética Molecular da USP de Ribeirão Preto, acesse: sites.usp.br/imunogenetica.

 

———————–

Leituras recomendadas pelo pesquisador Geraldo Passos:

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Aberta votação para representações regionais da SBI
comunicação sbi
12 de março de 2019
SBI seleciona jovem pesquisador para workshop de imunoterapia em Lisboa
comunicação sbi
19 de fevereiro de 2019
Vídeo: aplicações dos microarranjos de peptídeos
comunicação sbi
14 de fevereiro de 2019