Resposta imune a doença de Chagas é foco de pesquisa vencedora do prêmio AAI Careers in Immunology Fellowship
31 de julho de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Prêmio apoia o desenvolvimento da carreira de cientistas com bolsas de estudos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que atualmente existam entre 6 e 8 milhões de pessoas no mundo infectadas com a Doença de Chagas. Esta enfermidade é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, sendo um grande problema de saúde pública com alguns casos até mesmo em países desenvolvidos.

Sob este panorama da importância de se estudar essa doença, a pós-doutoranda Natália Vellozo, sob a chefia da pesquisadora Marcela Lopes, ambas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), submeteu um projeto para o prêmio AAI Careers in Immunology Fellowship sobre a resposta imune (inata e adaptativa) envolvida durante a infecção pelo protozoário Trypanosoma cruzi (T. cruzi). O projeto foi aprovado com uma bolsa para o desenvolvimento da pesquisa.

Além das cientistas Natália Vellozo e Marcela Lopes, o projeto também conta com a doutoranda Thaís Rigoni e outros colaboradores.

Durante a infecção pelo protozoário Trypanosoma cruzi, a resposta imune controla a parasitemia, mas os parasitas permanecem nos tecidos e causam a Doença de Chagas crônica. As células T CD8 matam as células infectadas e ativam os macrófagos para restringir a infecção. “No entanto, como visto em trabalhos anteriores do nosso grupo, os linfócitos sofrem morte celular por apoptose (via FasL e Fas) durante a infecção por T. cruzi, afetando negativamente a expansão de células T, promovendo a liberação de parasitas por macrófagos e diminuindo a imunidade mediada por células T CD8. Observamos também que que injeções de anti-FasL em camundongos infectados inibem a apoptose de células T CD8 e auxiliam no controle da parasitemia”, explica a pesquisadora Natália Vellozo.

O grupo irá investigar se o bloqueio da apoptose promove funções efetoras distintas/múltiplas de células T CD8 específicas para o Ag, com a hipótese de que abordagens terapêuticas capazes de prevenir a apoptose de células T e reduzir a fagocitose de células apoptóticas eferocitose durante a infecção por T. cruzi poderiam melhorar a remoção do parasita e prevenir doenças crônicas. “Com isso, nós iremos testar a importância de alguns receptores de eferocitose, durante a infecção por T. Cruzie esperamos gerar novas oportunidades de imunoterapia na Doença de Chagas”, afirma Vellozo.

Natália Vellozo juntamente com a sua orientadora, Marcela Lopes.

 

O prêmio AAI Careers in Immunology Fellowship

A Associação Americana de Imunologistas (AAI) é uma instituição de ciência dedicada ao avanço do conhecimento da imunologia, promovendo o intercâmbio de informações entre os pesquisadores associados. Atualmente, a AAI tem quase 8 mil membros em 71 países, sendo proprietária do The Journal of Immunology, bem como o ImmunoHorizons. Um dos benefícios para os membros é o apoio ao desenvolvimento da carreira de imunologistas, através de prêmios, subsídios e bolsas de estudos.

Entre os prêmios está o AAI Careers in Immunology Fellowship, conquistado pela Natália Vellozo juntamente com a sua orientadora, Marcela Lopes. Lançado em 2014, este é o maior programa de bolsa de incentivos da AAI, apoiando o desenvolvimento de carreira de jovens pesquisadores e fornecendo a cientistas bolsas de estudos de um ano com salário para um estudante, seja de pré-doutorado ou pós-doutorado, em seus laboratórios para o desenvolvimento do projeto.

Para participar tanto os pesquisadores principais quantos os seus trainees devem ser membros da AAI em situação regular. A avaliação do prêmio é baseada no mérito do projeto proposto do pesquisador principal, no potencial do aluno (trainee), na qualidade do ambiente de treinamento e na necessidade financeira.

A pesquisadora Natália Vellozo ressalta que mais do que o reconhecimento na comunidade científica que um apoio estrangeiro concede a um cientista brasileiro, o prêmio é um importante apoio financeiro que tem sido difícil encontrar no Brasil. “Passamos por um período de cortes brutais nos fundos para apoiar a ciência, o que gera a diminuição da produção científica, a exportação de pesquisadores recém-formados para outros países e a interrupção de projetos em andamento. A ciência no país persiste graças à experiência e persistência de pesquisadores e também de jovens idealistas que querem contribuir para o avanço da ciência, apesar da desvalorização e condições financeiras desfavoráveis. Esse prêmio concedido pela AAI pode ser de interesse da comunidade de imunologia e por este motivo gostaríamos de alertar e divulgar não apenas o prêmio em si, mas sim que é possível concorrer a financiamentos do exterior para projetos desenvolvidos no Brasil”, ressalta.

Para saber mais sobre a AAI e os prêmios oferecidos clique aqui.

Artigos relacionados a pesquisa desenvolvida

Apoptotic CD8 T-lymphocytes disable macrophage-mediated immunity to Trypanosoma cruzi infection.

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Edital para o Programa de Auxílio a Eventos da SBI - 2020 - 1o. Semestre
comunicação sbi
17 de novembro de 2019
Pesquisadores traçam panorama dos estudos em ensino de imunologia no Brasil
comunicação sbi
12 de novembro de 2019
Imunologia brasileira no congresso da IUIS, na China
comunicação sbi
30 de outubro de 2019