Nobel de Medicina para imunologistas repercute no Immuno 2018
15 de outubro de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Foi anunciado no primeiro dia do Immuno 2018 o Prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia para o americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo, pelas descobertas dos mecanismos que levaram às imunoterapias contra alguns tipos de câncer. O anúncio foi muito comemorado pelos congressistas, que destacaram o reconhecimento das pesquisas na área da Imunologia, principalmente a importância da pesquisa básica para o desenvolvimento de novos tratamentos.

Segundo o professor João Viola, do Instituto Nacional de Câncer (INCA), é importante o reconhecimento da necessidade da pesquisa básica para a ciência, pois existe uma compreensão equivocada, em alguns meios, sobre os motivos para financiar este tipo de pesquisa.

Ainda que os estudos sobre os mecanismos que desligam o “freio” do sistema imunológico fossem realizados para a compreensão do sistema como um todo, como destacou o professor Antonio Coutinho, da Fundação Champalimaud  -Portugal, e um dos conferencistas do congresso, as descobertas possibilitaram aplicações excepcionais, aprimorando o tratamento para o câncer e beneficiando muito pacientes. Coutinho ressalta que ambos os ganhadores contribuíram muito com a Imunologia moderna, não só pelos estudos premiados, e mereciam há muito tempo este reconhecimento.

O cientista Martin Bonamino, do INCA, também comenta a relevância da descoberta para o meio científico, pois eles definiram o conceito das moléculas que regulam negativamente a ativação das células do sistema imune. "Isso realmente é para se destacar, e serve muito para nossa pauta atual de reivindicações para se usar tanto na pesquisa aplicada, mas também na pesquisa básica. Nós temos conceitos muito importantes aprendidos aqui, que depois levaram a estes fármacos, que são importantes para a regulação fina, homeostática, de como o sistema imune funciona numa situação ‘normal’ e pra quebrar essa fisiologia, quando a resposta tem que ser desligada”, explica Bonamino.

O pesquisador Kenneth Gollob, do Hospital A.C. Camargo, conta que, em 1994, assistiu Allison apresentando os primeiros resultados das pesquisas, que indicavam a cura de melanoma em camundongos (o primeiro artigo sairia em 1996). Gollob ressalta que, na época, já se pensava nas possibilidades das descobertas e foram necessários 14 anos para os primeiros tratamentos serem aprovados.

Desafios no tratamento do câncer

Apesar do sucesso, ainda são muitos os desafios a serem superados, segundo os especialistas. Um deles, segundo Gollob, é entender os mecanismos que impedem alguns tipos da doença não responder ao tratamento e revertê-los. Além disso, mesmo nos tipos de câncer que a imunoterapia tem apresentado sucesso, nem todos os pacientes respondem positivamente. Neste ponto, Bonamino relaciona também a viabilidade financeira envolvida no tratamento, especialmente para o sistema público. Segundo ele, é preciso conseguir identificar marcadores que ajudem a prognosticar com mais precisão quais pacientes irão se beneficiar realmente do tratamento.

Outro desafio é que as imunoterapias podem, em alguns casos, originar doenças autoimunes. “O desafio é reativar a resposta antitumoral, sem ativar o braço autoimune”, explica Gollob.

A expectativa de Viola após o anúncio é que o prêmio possa ajudar a pautar a incorporação das imunoterapias contra o câncer na lista de medicamentos do Sistema Único de Saúde (SUS), o que poderia reduzir o custo dos tratamentos para a rede pública.

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Oportunidade de bolsa no Laboratório de Genômica e Imunobiologia
comunicação sbi
08 de novembro de 2018
Oportunidade de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Microbiologia e Imunologia da Unifesp
comunicação sbi
30 de outubro de 2018
Congressistas do Immuno 2018 ainda poderão participar de edição especial da revista Journal of Leukocyte Biology
comunicação sbi
26 de outubro de 2018