Pesquisadores brasileiros barram infecção pelo zika com vacina de febre amarela
26 de março de 2019
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Testes conduzidos por pesquisadores da UFRJ e da Fiocruz protegeram camundongos contra infecção pelo vírus induzida em laboratório

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) conseguiram proteger camundongos da infecção pelo vírus zika vacinando os animais contra a febre amarela. A vacinação estimulou o organismo a destruir o zika, reduziu a carga do vírus no cérebro e preveniu deficiências neurológicas causadas pela infecção, como a microcefalia.
A hipótese veio da observação das semelhanças entre os vírus – tanto o zika quanto o da febre amarela pertencem à família dos Flavivírus e compartilham estruturas biológicas parecidas. Outro fato chamou a atenção dos pesquisadores: a região com maior incidência de zika, o Nordeste, foi aquela com menor cobertura vacinal para febre amarela.
Ainda não se sabe se a vacina tem o mesmo efeito contra o vírus da dengue, que possui quatro tipos diferentes e mecanismos de ação ainda desconhecidos.
O trabalho foi coordenado por Jerson Lima Silva, Andrea Cheble Oliveira e Andre Gomes, do Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Biologia Estrutural e Bioimagem, e Herbert Guedes, do Instituto de Biofísica da UFRJ. Os resultados foram publicados em no portal científico bioRxiv.
Acesse o artigo "Yellow Fever Vaccine Protects Resistant and Susceptible Mice Against Zika Virus Infection".

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
Células linfoides inatas do tipo 2: Uma nova perspectiva na terapêutica antitumoral de melanoma
Vânia Bonato
20 de setembro de 2021
Entenda porque pessoas mais velhas possuem maior inflamação e danos em órgãos remotos
Vânia Bonato
17 de setembro de 2021
Células mieloides geneticamente modificadas como estratégia para reverter a imunossupressão na metástase
Vânia Bonato
14 de setembro de 2021