Células imunológicas modificadas eliminam lúpus em testes in vivo
01 de abril de 2019
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos, eliminaram as células B do sistema imunológico para curar camundongos que tinham lúpus. A estratégia é conhecida como terapia de receptor quimérico de antígeno (CAR-T) e envolve células T, as sentinelas do sistema imunológico - na pesquisa, geneticamente modificadas para que reconheçam e destruam certas células do corpo.

Apesar dos efeitos colaterais potencialmente graves, o tratamento experimental pode salvar vidas. A abordagem mudou o conceito do tratamento de alguns tipos de câncer em 2011, depois que cientistas relataram salvar pacientes com uma forma avançada de leucemia. Desde então, foi aprovada para tratar certas leucemias em crianças e linfomas em adultos.

Embora a terapia CAR-T possa ter como alvo células diferentes, os tratamentos aprovados caçam e destroem as células B, detectando um marcador de proteína presente na superfície de quase todas elas, o CD19.

Desde que a terapia CAR-T surgiu, os cientistas que estudam doenças autoimunes a observaram com interesse, porque as células B estão envolvidas em muitas dessas doenças. Elas podem liberar anticorpos que danificam o tecido do corpo e provocam ataques de células T nos tecidos. Em 2016, uma equipe da Universidade da Pensilvânia relatou que camundongos com uma doença autoimune rara chamada pênfigo vulgar foram auxiliados pela terapia.

Mas o lúpus apresentou um enigma. Um anticorpo chamado rituximabe, que esvazia as células B e é frequentemente prescrito para pacientes com artrite reumatoide e esclerose múltipla, não conseguiu ajudar muitas pessoas com a doença em dois grandes ensaios clínicos. É aí que entra a terapia CAR-T, em que as células T se tornam eficientes matadores de células B sem precisar de ajuda.

Marko Radic, imunologista do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Tennessee em Memphis, e seus colegas testaram a abordagem em dois modelos de rato com lúpus. Depois que os ratos ficaram doentes, a equipe os expôs à radiação de todo o corpo para eliminar as células imunes existentes. Pacientes que recebem a terapia CAR-T passam por quimioterapia para o mesmo propósito. Então, os cientistas infundiram as células T geneticamente alteradas em 41 animais. Em 26 dos ratos, as células CAR-T destruíram com sucesso as células B com CD19 - quase todas elas - e essas células nunca reapareceram.

Isso é semelhante ao que foi observado em pacientes com câncer que se submetem à terapia CAR-T. Os efeitos sobre a saúde do rato surpreenderam até Radic, que tinha grandes esperanças: o baço, pele, rins e outras partes do corpo dos animais não mostraram sinais remanescentes de lúpus, relatou a equipe hoje na publicação científica Science Translational Medicine. "Ficamos tão impressionados", diz Radic.

A maioria dos animais que foram tratados com sucesso viveu por mais de um ano após o tratamento, um grande alongamento no tempo de vida dos camundongos. Todos os animais que receberam terapia placebo morreram dentro de 8 a 10 meses e muitos morreram mais cedo.

Os cientistas dizem que gostariam de entender melhor por que a terapia CAR-T não funcionou para 15 camundongos. Mas estão esperançosos para o futuro do tratamento para seus pacientes e outros.

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Divulgada programação completa do Immuno 2019
comunicação sbi
01 de julho de 2019
Inscrições abertas e submissão de resumos disponível para o Immuno 2019, em Florianópolis
comunicação sbi
10 de junho de 2019
O intestino e o sistema imune
comunicação sbi
29 de abril de 2019