Estudo identifica proteína associada ao agravamento da leucemia mieloide aguda
03 de agosto de 2021
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificou um marcador da evolução da leucemia mieloide aguda, a proteína ezrina. A partir disso, fármacos que inibem a proteína poderão ser usados para encontrar uma terapia não invasiva, especialmente para os idosos, que não são elegíveis para o transplante. O estudo foi publicado na revista Cellular Oncology.

A leucemia mieloide aguda é um tipo de câncer agressivo que afeta o sangue. Segundo o Observatório de Oncologia, a doença representa cerca de 80% das leucemias agudas do adulto e 36% dos óbitos de leucemia entre 2008 e 2017, sendo mais comum em pessoas com mais de 60 anos. Os tratamentos disponíveis são quimioterapia ou transplante de medula óssea, única opção curativa em caso de falha aos tratamentos medicamentosos.

A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Biologia do Câncer e Antineoplásicos do Departamento de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). O grupo tem como objetivo aumentar o leque de opções para o tratamento da leucemia e foca na compreensão da biologia do câncer, assim como no estudo de novas moléculas com potencial terapêutico.

Leia mais informações sobre o estudo na matéria publicada pelo ICB-USP: neste link.

O artigo está disponível aqui.

Autores: Jean Carlos Lipreri da Silva, Juan Luiz Coelho-Silva, Keli Lima, Hugo Passos Vicari, Mariana Lazarini, Letícia Veras Costa-Lotufo, Fabiola Traina e João Agostinho Machado-Neto.

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
Células linfoides inatas do tipo 2: Uma nova perspectiva na terapêutica antitumoral de melanoma
Vânia Bonato
20 de setembro de 2021
Entenda porque pessoas mais velhas possuem maior inflamação e danos em órgãos remotos
Vânia Bonato
17 de setembro de 2021
Células mieloides geneticamente modificadas como estratégia para reverter a imunossupressão na metástase
Vânia Bonato
14 de setembro de 2021