Estudo avalia as respostas imunológicas em pacientes pediátricos com COVID-19 na região sul do Brasil
26 de novembro de 2021
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - em colaboração com o Hospital Moinhos de Vento (Porto Alegre - RS), avaliou as respostas imunológicas em pacientes pediátricos diagnosticados com COVID-19 na região sul do Brasil. O artigo acaba de ser publicado na Nature Communications.

 

Existem diversos estudos caracterizando as respostas imunológicas em adultos com formas leves ou graves de COVID-19. Mas, poucas pesquisas focaram em pacientes pediátricos. Tais estudos são cruciais para o desenho de políticas públicas apoiadas em evidência,  regulando as atividades escolares durante a pandemia. Além disso, a compreensão dos motivos pelos quais a doença se manifesta de forma mais leve em crianças pode fornecer informações importantes para as estratégias de prevenção e tratamento.

 

Este estudo apresenta uma caracterização detalhada das células mononucleares do plasma e do sangue periférico de pacientes adultos e pediátricos com COVID-19 por citometria de fluxo multiparâmetro. Utilizando uma análise de sistemas, o grupo avaliou 38.670 pontos de dados, incluindo anticorpos anti-SARS-CoV-2 IgA e IgG e frequências de células T efetoras específicas.

Os resultados sugerem que as crianças podem ter uma resposta imune forte, porém diferencial, quando comparadas aos adultos, que se associa com a manifestação leve em COVID-19 pediátrico.

“As crianças se infectam com SARS-CoV-2 e tem altos títulos virais, possivelmente contribuindo para a transmissão mesmo que assintomáticas. As respostas imunes mais fortes, em geral, são de adultos com a doença grave. Mas, as crianças têm respostas imunes fortes e em alguns casos diferentes das dos adultos. Este processo pode estar ligado com a proteção. Estamos investigando atualmente a resposta de memória seis meses após a infecção”, explica a coordenadora da pesquisa Cristina Bonorino (UFCSPA).

O artigo está disponível neste link.

 

Autores: Tiago Fazolo, Karina Lima, Julia C. Fontoura, Priscila Oliveira de Souza, Gabriel Hilario, Renata Zorzetto, Luiz Rodrigues Júnior, Veridiane Maria Pscheidt, Jayme de Castilhos Ferreira Neto, Alisson F. Haubert, Izza Gambin, Aline C. Oliveira, Raissa S. Mello, Matheus de Bastos Balbe e Gutierres, Rodrigo Benedetti Gassen, Lais Durço Coimbra, Alexandre Borin, Rafael Elias Marques, Ivaine Tais Sauthier Sartor, Gabriela Oliveira Zavaglia, Ingrid Rodrigues Fernandes, Helder I. Nakaya, Fernanda Hammes Varela, Márcia Polese-Bonatto, Thiago J. Borges, Sidia Maria Callegari-Jacques, Marcela Santos Correa da Costa, Jaqueline de Araujo Schwartz, Marcelo Comerlato Scotta, Renato T. Stein e Cristina Bonorino.

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
A ORQUESTRA DAS PLAQUETAS: reprogramando células T reguladoras e macrófagos M2 na resolução da inflamação pulmonar
Vânia Bonato
04 de outubro de 2021
A sinalização de anafilatoxinas favorece o processo de maturação da afinidade
Vânia Bonato
29 de setembro de 2021
Linfócito T folicular regulador (TFR) – um novo protagonista na progressão tumoral via restrição da eficácia do tratamento com anticorpos contra PD-1
Vânia Bonato
24 de setembro de 2021