Estudo identifica variações na resposta imunológica à Malária Plasmodium vivax na amazônia brasileira
16 de agosto de 2023
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Você sabia que a malária causada pelo Plasmodium vivax é a forma mais comum da doença fora da África? Apesar disso, as respostas do sistema imunológico a essa infecção ainda são pouco compreendidas. 

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e colaboradores, explorou as reações das células reguladoras e efetoras em adultos da Amazônia que estão continuamente expostos ao parasita.

A pesquisa, publicada no European Journal of Immunology, baseou-se em amostras coletadas de pacientes infectados com Plasmodium vivax após o diagnóstico e 28 dias depois do início do tratamento.

O estudo analisou o comportamento dos linfócitos e identificou diferenças importantes nos mecanismos de imunidade entre as duas espécies. Dados prévios da literatura indicam que, além de induzir a um quadro de malária mais grave, a resposta imune ao Plasmodium falciparum parece não ser muito bem regulada. Por outro lado, o estudo mostrou que o Plasmodium vivax pode induzir a uma resposta melhor regulada durante a fase aguda da doença.

“No caso do Plasmodium falciparum, a literatura identificou linfócitos T auxiliares foliculares (Tfh) do tipo Th1, que são pouco eficientes em induzir linfócitos B a produzir anticorpos protetores. Já no nosso estudo com o Plasmodium vivax, detectamos, além dos linfócitos Tfh do tipo Th1, linfócitos Tfh do tipo Th2, que atuam melhor nessa tarefa”, explica a pesquisadora Silvia Beatriz Boscardin, coordenadora do estudo, em entrevista para o Ciência USP.

Os pesquisadores observaram isso ao analisar sistematicamente diferentes populações de linfócitos T e B no sangue de pacientes durante a fase aguda da doença ou após a resolução do tratamento. “Após o tratamento dos pacientes, foi possível observar quando houve alterações nas populações de linfócitos e estudar como esse comportamento se difere do que já foi publicado para o Plasmodium falciparum”, comenta Silvia.

> Saiba mais sobre o estudo na matéria publicada pela Ciência USP: clique aqui

- Para ler o artigo acesse este link.

Autores: Natália S. Ferreira, Nathália F. Lima, Fernando B. Sulczewski, Irene S. Soares, Marcelo U. Ferreira and Silvia B. Boscardin.

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
Micróglias terminalmente inflamatórias aumentam em indivíduos idosos e com o genótipo da apolipoproteina E4 na doença de Alzheimer
SBI Comunicação
10 de junho de 2024
A face oculta da inflamação na tuberculose: o papel surpreendente dos interferons do tipo I
SBI Comunicação
29 de maio de 2024
Imunidade antitumoral pode ser potencializada por células dendríticas clássicas do tipo I via STING
SBI Comunicação
24 de abril de 2024