Estudo avalia a relação entre a resposta imune no sangue e no coração de pacientes com a cardiomiopatia Chagásica
04 de março de 2024
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Compreender como o sistema imunológico responde em diferentes partes do corpo é muito importante para entender como diversas doenças se desenvolvem. No entanto, é difícil obter amostras de órgãos doentes com segurança, especialmente quando trata-se de órgãos vitais.

Em um estudo publicado na Frontiers in Immunology, pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e colaboradores avaliaram comparativamente a expressão de diversas moléculas associadas à resposta imunológica no sangue e no coração de pacientes com a forma cardíaca da doença de Chagas. Esta condição debilitante e muitas vezes fatal é causada pela infecção pelo protozoário Trypanosoma cruzi.

As amostras de sangue coletadas foram analisadas por meio da plataforma Bio-Plex, e o Gene Expression Omnibus (GEO) foi utilizado para determinar o perfil de expressão gênica dessas mesmas moléculas no tecido cardíaco de pacientes com a forma cardíaca da doença de Chagas e em indivíduos sadios.

O grupo observou que 75% dos fatores solúveis avaliados no plasma exibiram uma relação consistente com os seus níveis de expressão gênica no tecido cardíaco de pacientes com a doença de Chagas. Sendo assim, a análise das interações e vias de sinalização relacionadas a essas moléculas revelou uma super-representação das vias inflamatórias em ambos os compartimentos, sanguíneo e cardíaco.

“Este estudo mostrou uma forte correlação entre moléculas imunológicas relevantes e suas vias de sinalização no sangue e no tecido cardíaco de pacientes com a cardiopatia decorrente da doença de Chagas. Isso valida o uso do sangue como meio não invasivo para a compreensão da imunopatologia e identificação de marcadores de disfunção cardíaca na doença de Chagas”, explica Walderez Dutra, coordenadora do estudo.

Acesse o artigo neste link

 

Autores: Thaiany G. Souza-Silva, Eula G. A. Neves, Carolina Koh, Andrea Teixeira-Carvalho, Silvana Silva Araujo, Maria do Carmo Pereira Nunes, Juliana de Assis Silva Gomes, Kenneth J. Gollob e Walderez Ornelas Dutra.

Usuário
PUBLICADO POR
SBI Comunicação
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >
OUTRAS NOTÍCIAS
Micróglias terminalmente inflamatórias aumentam em indivíduos idosos e com o genótipo da apolipoproteina E4 na doença de Alzheimer
SBI Comunicação
10 de junho de 2024
A face oculta da inflamação na tuberculose: o papel surpreendente dos interferons do tipo I
SBI Comunicação
29 de maio de 2024
Imunidade antitumoral pode ser potencializada por células dendríticas clássicas do tipo I via STING
SBI Comunicação
24 de abril de 2024