Impacto da obesidade no sistema imune
17 de março de 2021
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Autora: Tatiani Uceli Maioli, docente associada do Departamento de Nutrição e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Saúde da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

A obesidade é uma condição clínica caracterizada pelo acúmulo de tecido adiposo. Já é claro na literatura que a obesidade predispõe a doenças crônicas como diabetes tipo 2 e hipertensão. No entanto, outras doenças também podem ser desencadeadas ou agravadas pela obesidade. Dentre elas, destacam-se o câncer, as doenças autoimunes, a asma, além de infecções por protozoários, bactérias e vírus.

O sistema imune sofre diversas alterações em decorrência direta da obesidade e tais alterações podem contribuir para essa suscetibilidade aumentada ao desenvolvimento de doenças crônicas e infecciosas. As principais alterações nas respostas imunes se relacionam com a ativação de mecanismos pró-inflamatórios.

Na obesidade, o tecido adiposo pode se tornar gravemente disfuncional. Os adipócitos sofrem mudanças que vão desde o aumento de seu tamanho ao comprometimento da sua função fisiológica e à sua distribuição atípica no corpo. Ocorrem também modificações na matriz extracelular, na vascularização, nos níveis de estresse oxidativo, no perfil de adipocinas secretadas e no estado inflamatório das células imunes infiltradas nesse tecido.

O aumento da secreção de citocinas produzidas pelos adipócitos, tais como TNF-α, interleucina-1β (IL-1β), IL-6, IL-8, leptina e resistina, com a redução paralela de IL-10 e adiponectina, caracterizam a obesidade como um estado inflamatório de baixa intensidade. Com o acúmulo de tecido adiposo, ocorre também a liberação de ácidos graxos livres, assim como o aumento da concentração plasmática de glicose e de radicais livres na circulação que contribuem para a ativação de vias de sinalização, como as do IKKβ e NF-κB, e das vias dos receptores do tipo Toll (TRL).

Paralelamente, a dieta consumida por indivíduos com obesidade induz a disbiose da microbiota intestinal, aumentando a permeabilidade intestinal e levando ao extravasamento de LPS para circulação e à amplificação da sinalização por receptores do tipo Toll. Essa sinalização estimula a imunidade inata e favorece o ciclo inflamatório.

O tecido adiposo na obesidade acumula células mieloides e linfoides. Macrófagos M1 CD11c+CX3CR1+ presentes nesse local secretam citocinas inflamatórias e óxido nítrico que induzindo a produção de HIF1-alfa, seguido de hipóxia de adipócitos que gera mais uma alça de amplificação dos mecanismos inflamatórios. Esse processo induz ainda o recrutamento de outras células como linfócitos T CD4+, T CD8+ e células NK e a redução proporcional da frequência de células T reguladoras. Esse cenário contribui para a produção de citocinas pró-inflamatórias, a liberação de quimiocinas como a proteína quimiotática de monócitos 1 e 3 (MCP-1 e MCP-3), e cria um ciclo de recrutamento celular contínuo com inflamação constante fomentando o estado inflamatório da obesidade.

As alterações do tecido adiposo ultrapassam a barreira tecidual e atingem outros órgãos, como os órgãos linfoides primários e secundários. Na medula óssea, ocorre diminuição da hematopoiese e, no timo, redução da maturação de linfócitos T com impacto no repertório de linfócitos produzidos, causando uma espécie de oligoclonalidade.

Na mucosa intestinal, ocorre aumento dos linfócitos intraepiteliais e aumento da permeabilidade da barreira epitelial. No baço e linfonodos periféricos, ocorre redução do influxo de células apresentadoras de antígenos e, com isso, prejuízo na ativação de linfócitos T. No pulmão, também ocorre aumento da permeabilidade epitelial e do estresse oxidativo dificultando o controle de infecções.

O aumento da susceptibilidade às infecções em indivíduos com obesidade ficou mais evidente com as epidemias pelo vírus H1N1 e, atualmente, pelo SARS-Cov2. Alguns mecanismos têm sido propostos na tentativa de elucidar o que ocorre. No caso de infecções pulmonares como H1N1, o pulmão mais permeável facilita o influxo de fluido e uma maior distribuição do agente infeccioso, além de aumento do edema e do estresse oxidativo.

A nível celular, ocorre diminuição da proliferação de células efetoras, redução da migração de células apresentadoras de antígenos (células dendríticas) e da ativação dos receptores do tipo Toll em macrófagos. Isso diminui a síntese de interferons do tipo I, necessários para o controle viral.

Uma questão interessante é que, embora a obesidade induza um aumento de macrófagos M1 no tecido adiposo, metabólitos como palmitato, insulina e glicose provocam uma ativação alternativa dessas células em outros órgãos e nos sítios adjacentes aos vasos sanguíneos no tecido adiposo. Esses macrófagos alternativamente ativados passam a expressar o receptor de manose CD206, um marcador típico de macrófagos M2, associados a funções homeostáticas de reparo e de imunorregulação.

Apesar de possuir maior capacidade fagocítica, esses macrófagos expressam baixos níveis da molécula co-estimulatória CD86 sendo, portanto, ineficientes como células apresentadoras de antígenos para linfócitos T e pouco efetivos no controle de patógenos de uma forma geral. Este pode ser um dos fatores envolvidos na maior susceptibilidade às infecções que acompanha a obesidade. Outra célula importante no controle infeccioso é o neutrófilo. Nesse caso, foi demonstrado que neutrófilos de camundongos obesos não estão completamente ativados e exibem um perfil não inflamatório que também não favorece a eliminação de patógenos.

Por outro lado, alguns estudos também mostraram que a obesidade é acompanhada de aumento da diferenciação de células Th17. Assim, somado à diminuição das células T reguladoras e da síntese de TGF-beta e de IL-10, a obesidade dificulta o processo de cicatrização e de resolução da inflamação. Esses fatores favorecem o desenvolvimento de doenças autoimunes e a perda de controle das lesões resultantes de processos infecciosos.

No presente momento, os holofotes estão voltados para a vacinação contra o SARS-CoV2. Dessa forma, é importante lembrar que a obesidade influencia negativamente o sucesso da vacina. A baixa ativação de macrófagos e a falha das células dendríticas em ativar linfócitos T dificultam a ativação de uma resposta específica eficiente. Assim, ocorre deficiência na indução de células T específicas, tanto CD4 quanto CD8, devido à diminuição de repertório dessas células. Também há diminuição da mudança de isotipo de IgM para IgG, com redução da formação de anticorpos neutralizantes. Desse modo, esses fatores comprometem a geração de células de memória efetoras.

Ainda não existe na literatura trabalhos que esclareçam como deve ser o tratamento de pacientes com obesidade em relação às infecções e a outras doenças. No entanto, sabemos que indivíduos com excesso de peso respondem de forma diferente a essas doenças. Portanto, estratégias terapêuticas precisam ser mais direcionadas na clínica. É importante salientar também que os protocolos de vacinação precisam ser avaliados à luz desses dados, pois uma resposta imune reduzida à vacinação em indivíduos com obesidade pode ser especialmente problemática nesse momento não só para o próprio indivíduo, mas também para toda a comunidade.

Referências

 

  1. Tagliabue C, Principi N, Giavoli C, Esposito S. Obesity: impact of infections and response to vaccines. Eur J Clin Microbiol Infect Dis (2016) 35:325–331. doi:10.1007/s10096-015-2558-8
  2. Endo Y, Asou HK, Matsugae N, Hirahara K, Shinoda K, Tumes DJ, Tokuyama H, Yokote K, Nakayama T. Obesity Drives Th17 Cell Differentiation by Inducing the Lipid Metabolic Kinase, ACC1. Cell Rep (2015) 12:1042–1055. doi:10.1016/j.celrep.2015.07.014
  3. Endo Y, Yokote K, Nakayama T. The obesity-related pathology and Th17 cells. Cell Mol Life Sci (2017) 74:1231–1245. doi:10.1007/s00018-016-2399-3
  4. Honce R, Schultz-Cherry S. Impact of obesity on influenza A virus pathogenesis, immune response, and evolution. Front Immunol (2019) 10:1071. doi:10.3389/fimmu.2019.01071
  5. Martins VD, Silva FC, Caixeta F, Carneiro MB, Goes GR, Torres L, Barbosa SC, Vaz L, Paiva NC, Carneiro CM, et al. Obesity impairs resistance to Leishmania major infection in C57BL/6 mice. PLoS Negl Trop Dis (2020) 14:e0006596. doi:10.1371/journal.pntd.0006596
  6. Kuwabara WMT, Yokota CNF, Curi R, Alba-Loureiro TC. Obesity and Type 2 Diabetes mellitus induce lipopolysaccharide tolerance in rat neutrophils. Sci Rep (2018) 8:17534. doi:10.1038/s41598-018-35809-2

 

* O artigo foi publicado originalmente no e-book "Manifesto Obesidade: Cuidar de Todas as Formas”, uma iniciativa da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO) e da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

PUBLICADO POR
SBI Comunicação
Colunista Colaborador
ver todos os artigos desse colunista >
OUTROS SBLOGI
Células linfoides inatas do tipo 2: Uma nova perspectiva na terapêutica antitumoral de melanoma
Vânia
20 de setembro de 2021
Entenda porque pessoas mais velhas possuem maior inflamação e danos em órgãos remotos
Vânia
17 de setembro de 2021
Células mieloides geneticamente modificadas como estratégia para reverter a imunossupressão na metástase
Vânia
14 de setembro de 2021