Linfócitos T γδ e IgE se unem para prevenir o desenvolvimento de tumores
28 de agosto de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Por: Jefferson Antônio Leite e César Speck (doutorandos IBA-FMRP/USP)

Editora: Luciana Benevides

Linfócitos T γδ são uma subclasse de células T não convencionais (devido a presença de um TCR γδ) que residem em tecidos epiteliais, e são também conhecidos como “Linfócitos intraepiteliais TCR γδ+” os quais possuem uma importante função na proteção contra fenômenos de estresse celular, como à lise de células infectadas, ferimentos, ou crescimento tumoral. Tais células, quando residentes na pele, são importantes na manutenção da homeostase tecidual e respondem contra o estresse por meio de seu TCR invariante Vγ5Vδ1e outros co-receptores, como o NKG2D (1). Além disso, linfócitos T γδ residentes na pele, em resposta ao dano do DNA epitelial, produzem IL-13, uma citocina importante para resposta imune do tipo 2, sendo também importante para a renovação das células epiteliais e prevenção da formação de tumores (2). Neste sentido, estudos prévios já haviam demonstrado que linfócitos T γδ intraepiteliais podem promover uma resposta alérgica mediada pela produção de IgE após imunização epicutânea (1). Contudo, os mecanismos relacionados com as respostas do tipo 2, incluindo a produção de IgE, mediada por linfócitos T γδ intraepiteliais na prevenção do desenvolvimento de tumores ainda eram desconhecidos.

Neste sentido, Crawford et al., (2018) (3) demonstraram que o tratamento de camundongos selvagens (WT) com o carcinógeno ambiental DMBA (7,12-dimethylbenz[a]anthracene), promoveu um aumento na produção local e sistêmica de IgE por plasmócitos, ao passo que tal resposta foi iniciada nos linfonodos drenantes da pele. De maneira curiosa, camundongos deficientes para IgE (Igh7-/-) ou para seu receptor (FcϵRI-/-) desenvolveram um maior crescimento tumoral, quando comparado com camundongos selvagens (WT) após tratamento com DMBA, demonstrando que a resposta mediada por IgE é importante para o controle do desenvolvimento tumoral.

Adicionalmente, a produção de IgE por plasmócitos após estímulo com DMBA, foi dependente da resposta de células T CD4 produtoras de IL-4 (TH2) nos linfonodos drenantes da pele, estas que por sua vez interagem com células B e promovem a geração de plasmócitos produtores de IgE.

Não obstante, um estudo anterior (2) demonstrou que linfócitos T γδ respondem à carcinogênese induzida por DMBA, o que levou os autores a investigarem se estas células também seriam importantes para a produção de IgE protetora contra os tumores. De maneira interessante, camundongos deficientes para linfócitos Tγδ (Tcrd-/-) apresentaram uma produção de IgE prejudicada após tratamento com DMBA. Além disso, a IgE produzida por plasmócitos derivados destes camundongos, possui uma expansão clonal reduzida, diminuição em seu repertório de especificidade, alterações físico-químicas na região CDRH3 (domínio de ligação ao antígeno), ao passo que tais alterações estavam associadas à uma recombinação V(D)J alterada na ausência de linfócitos T γδ. Tais achados, sugerem que linfócitos T γδ intraepiteliais participam de maneira indireta da resposta de linfócitos B e da produção de IgE. Por fim, os autores demonstraram que a IgE responsável pelo controle tumoral induzida por DMBA é autoreativa, e age em células tumorais limitando seu crescimento (Figura 1). Estes achados indicam que linfócitos T γδ intraepiteliais residentes da pele respondem à danos epiteliais e auxiliam na ativação e diferenciação de células B e produção de IgE que limita o desenvolvimento tumoral.

Figura 1. Linfócitos T γδ residentes da pele respondem a danos epiteliais e auxiliam na produção de IgE protetora contra tumores.

 

Referências

  1. Nielsen, M. M., Witherden, D. A. & Havran, W. L. γδ T cells in homeostasis and host defense of epithelial barrier tissues. Nat. Rev. Immunol. 17, 733–745 (2017).
  2. Dalessandri, T., Crawford, G., Hayes, M., Seoane, R. C. & Strid, J. IL-13 from intraepithelial lymphocytes regulates tissue homeostasis and protects against carcinogenesis in the skin. Nat. Commun. 7, 12 (2016).
  3. Crawford, G. et al. Epithelial damage and tissue γδ T cells promote a unique tumor-protective IgE response. Nat. Immunol. https://doi.org/10.1038/s41590- 018-0161-8 (2018).

 

Usuário
PUBLICADO POR
IBA-FMRP/USP
Repórter colaborador SBI/NcgCE
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTROS SBLOGI
C. tropicalis acentua câncer de cólon associado à colite
IBA-FMRP/USP
16 de dezembro de 2018
Segundo Encontro da Diáspora Brasileira de CTI nos EUA
10 de dezembro de 2018
Anticorpos induzidos por hormônios sexuais permitem as fêmeas serem mais resistentes às infecções
IBA-FMRP/USP
09 de dezembro de 2018