Linfócitos T γδ e IgE se unem para prevenir o desenvolvimento de tumores
28 de agosto de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Por: Jefferson Antônio Leite e César Speck (doutorandos IBA-FMRP/USP)

Editora: Luciana Benevides

Linfócitos T γδ são uma subclasse de células T não convencionais (devido a presença de um TCR γδ) que residem em tecidos epiteliais, e são também conhecidos como “Linfócitos intraepiteliais TCR γδ+” os quais possuem uma importante função na proteção contra fenômenos de estresse celular, como à lise de células infectadas, ferimentos, ou crescimento tumoral. Tais células, quando residentes na pele, são importantes na manutenção da homeostase tecidual e respondem contra o estresse por meio de seu TCR invariante Vγ5Vδ1e outros co-receptores, como o NKG2D (1). Além disso, linfócitos T γδ residentes na pele, em resposta ao dano do DNA epitelial, produzem IL-13, uma citocina importante para resposta imune do tipo 2, sendo também importante para a renovação das células epiteliais e prevenção da formação de tumores (2). Neste sentido, estudos prévios já haviam demonstrado que linfócitos T γδ intraepiteliais podem promover uma resposta alérgica mediada pela produção de IgE após imunização epicutânea (1). Contudo, os mecanismos relacionados com as respostas do tipo 2, incluindo a produção de IgE, mediada por linfócitos T γδ intraepiteliais na prevenção do desenvolvimento de tumores ainda eram desconhecidos.

Neste sentido, Crawford et al., (2018) (3) demonstraram que o tratamento de camundongos selvagens (WT) com o carcinógeno ambiental DMBA (7,12-dimethylbenz[a]anthracene), promoveu um aumento na produção local e sistêmica de IgE por plasmócitos, ao passo que tal resposta foi iniciada nos linfonodos drenantes da pele. De maneira curiosa, camundongos deficientes para IgE (Igh7-/-) ou para seu receptor (FcϵRI-/-) desenvolveram um maior crescimento tumoral, quando comparado com camundongos selvagens (WT) após tratamento com DMBA, demonstrando que a resposta mediada por IgE é importante para o controle do desenvolvimento tumoral.

Adicionalmente, a produção de IgE por plasmócitos após estímulo com DMBA, foi dependente da resposta de células T CD4 produtoras de IL-4 (TH2) nos linfonodos drenantes da pele, estas que por sua vez interagem com células B e promovem a geração de plasmócitos produtores de IgE.

Não obstante, um estudo anterior (2) demonstrou que linfócitos T γδ respondem à carcinogênese induzida por DMBA, o que levou os autores a investigarem se estas células também seriam importantes para a produção de IgE protetora contra os tumores. De maneira interessante, camundongos deficientes para linfócitos Tγδ (Tcrd-/-) apresentaram uma produção de IgE prejudicada após tratamento com DMBA. Além disso, a IgE produzida por plasmócitos derivados destes camundongos, possui uma expansão clonal reduzida, diminuição em seu repertório de especificidade, alterações físico-químicas na região CDRH3 (domínio de ligação ao antígeno), ao passo que tais alterações estavam associadas à uma recombinação V(D)J alterada na ausência de linfócitos T γδ. Tais achados, sugerem que linfócitos T γδ intraepiteliais participam de maneira indireta da resposta de linfócitos B e da produção de IgE. Por fim, os autores demonstraram que a IgE responsável pelo controle tumoral induzida por DMBA é autoreativa, e age em células tumorais limitando seu crescimento (Figura 1). Estes achados indicam que linfócitos T γδ intraepiteliais residentes da pele respondem à danos epiteliais e auxiliam na ativação e diferenciação de células B e produção de IgE que limita o desenvolvimento tumoral.

Figura 1. Linfócitos T γδ residentes da pele respondem a danos epiteliais e auxiliam na produção de IgE protetora contra tumores.

 

Referências

  1. Nielsen, M. M., Witherden, D. A. & Havran, W. L. γδ T cells in homeostasis and host defense of epithelial barrier tissues. Nat. Rev. Immunol. 17, 733–745 (2017).
  2. Dalessandri, T., Crawford, G., Hayes, M., Seoane, R. C. & Strid, J. IL-13 from intraepithelial lymphocytes regulates tissue homeostasis and protects against carcinogenesis in the skin. Nat. Commun. 7, 12 (2016).
  3. Crawford, G. et al. Epithelial damage and tissue γδ T cells promote a unique tumor-protective IgE response. Nat. Immunol. https://doi.org/10.1038/s41590- 018-0161-8 (2018).

 

Usuário
PUBLICADO POR
IBA-FMRP/USP
Repórter colaborador SBI/NcgCE
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTROS SBLOGI
Linfócitos T γδ e IgE se unem para prevenir o desenvolvimento de tumores
IBA-FMRP/USP
28 de agosto de 2018
Microbiota intestinal a “carta curinga” durante o carcinoma hepatocelular (HCC)
IBA-FMRP/USP
19 de agosto de 2018
Catecolamina induz mielopoiese no contexto de diabetes
IBA-FMRP/USP
12 de agosto de 2018