Uso de células CAR-T: uma revolução em gestação para além da aplicação oncológica
25 de março de 2021
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Por Mariana Mazzi1 e Martín Bonamino1,2

  1. Instituto Nacional de Câncer
  2. Instituto Nacional de Câncer e FIOCRUZ

 

Segundo dados da OMS, o câncer segue como a segunda maior causa de morte em todo o mundo, respondendo por 1 em cada 6 óbitos. Nas últimas duas décadas, grandes avanços foram alcançados na compreensão da patogênese da doença, e novos tratamentos aumentaram a qualidade de vida e sobrevida dos pacientes oncológicos. Dentre estes tratamentos, a imunoterapia tem se consolidado como uma das estratégias mais promissoras, com desenvolvimento acelerado desde 1997, quando foi aprovado o primeiro anticorpo monoclonal para tratamento de linfoma. Posteriormente os anticorpos monoclonais foram conjugados a drogas para aumentar sua potência, e surgiram anticorpos biespecíficos e inibidores de checkpoint imunológico, capazes de recrutar componentes da resposta imune contra um alvo tumoral. Porém, uma mudança conceitual importante ocorreu em 2017, com a aprovação dos linfócitos CAR-T, consideradas as primeiras “drogas vivas”. O estudo pivotal que levou à aprovação do primeiro CAR-T para tratamento da leucemia linfoblástica aguda B recaída, contexto de prognóstico sombrio, mostrou taxas de resposta em torno de 80%, que se sustentaram ao menos parcialmente no estudo de seguimento.

 

Os linfócitos CAR-T são linfócitos T geneticamente modificados para expressar um receptor quimérico contra um antígeno de membrana celular, cujo reconhecimento é feito de forma independente do MHC. A estrutura básica do CAR consiste numa região extracelular, específica para reconhecimento do antígeno e geralmente derivada da fração Fv de uma imunoglobulina (scFv); associada a uma região transmembrana; um ou mais domínios coestimulatórios; e uma região de sinalização intracelular. Após formação da sinapse imunológica, os linfócitos CAR-T são ativados e proliferam, induzindo a morte da célula-alvo por citotoxicidade direta e mediada por Fas/Fas-L. A formação de células de memória é fundamental para sua persistência e controle da doença de base a longo prazo.

 

Os linfócitos CAR-T efetivamente licenciados para uso clínico, desde 2017 até o momento, são direcionados ao tratamento de neoplasias derivadas de linfócitos B, em especial a leucemia linfoblástica aguda e linfoma difuso de grandes células. Esses linfócitos CAR-T têm como alvo o CD19, uma molécula expressa durante toda a maturação das células B. Embora não se trate de um antígeno tumoral propriamente dito, a destruição de células B normais é um efeito colateral esperado, porém bem tolerado e manejável com a reposição regular de imunoglobulina. Uma segunda droga em fase acelerada de aprovação pelo FDA e pela EMA é o CAR-T anti-BCMA (B Cell Maturation Antigen), para tratamento de mieloma múltiplo.

 

Em 2019, estudos clínicos com CAR-T corresponderam a mais da metade dos ensaios clínicos em neoplasias hematológicas. Nas neoplasias sólidas, o uso de CAR-T é menos proeminente, notadamente devido aos desafios específicos nessa população. Além da definição de alvos terapêuticos tumor-específicos, de forma a reduzir os riscos de efeitos on-target – off-tumor nos tecidos sadios, a presença de um microambiente tumoral altamente imunossupressor limita a função dos linfócitos CAR-T. Novos desenhos de receptores quiméricos encontram-se em desenvolvimento para endereçar essas questões. Por exemplo, a coexpressão do CAR e moléculas imunomoduladoras que permitem modificar o microambiente tumoral.

 

No entanto, além da oncologia, diversas doenças crônicas, igualmente graves e debilitantes, podem chegar a ser tratadas no futuro com esta tecnologia, em especial as doenças autoimunes e infecciosas. Pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES), doença multissistêmica cuja patogênese envolve o depósito de imunocomplexos, podem potencialmente se beneficiar da depleção de células B produtoras de autoanticorpos após tratamento com linfócitos CAR anti-CD19, já licenciadas para uso clínico. Modelos murinos de nefrite lúpica mostraram resultados promissores sustentando esta abordagem. Além disso, os linfócitos CAR anti-BCMA estão sendo testados clinicamente em pacientes com miastenia gravis, caracterizada pela produção de autoanticorpos contra as junções musculares e fraqueza muscular progressiva.

 

Outra possibilidade de tratamento de doenças autoimunes consiste na construção de células CAR a partir de linfócitos T regulatórios. Os linfócitos T regulatórios exercem efeito inibitório localmente nos tecidos afetados, e são eficazes mesmo em pequeno número. Num modelo murino de colite autoimune, semelhante à doença inflamatória intestinal humana, as células CAR-Treg anti-CEA (Antígeno CarcinoEmbrionário) foram eficazes no alívio dos sintomas de colite e na redução da progressão para câncer de cólon. De forma similar, em modelo murino de esclerose múltipla, a injeção de CAR-Treg anti-MOG (Glicoproteína da Mielina de Oligodendrócitos) por via intranasal levou a uma melhora significativa dos sintomas neurológicos nos animais.

 

Uma terceira estratégia bastante promissora foi descrita recentemente pro Ellebrecht et al, e consiste na construção de CAAR-T, linfócitos T que expressam receptores quiméricos contra auto-anticorpos. O pênfigo vulgar é uma bulose sistêmica grave caracterizada pela produção de anticorpos contra desmogleína-3 (Dsg-3), uma proteína dos desmossomos, estruturas de junção celular fundamentais para a manter a integridade dos epitélios. O CAAR-T anti-Dsg3 foi capaz de reconhecer as células B produtoras desses autoanticorpos e eliminá-las em modelo pré-clínico. No momento, essa estratégia está em estudo clínico fase 1.

 

No âmbito do tratamento de doenças infecciosas com linfócitos CAR-T, sem dúvida o HIV foi o mais estudado. Algumas das primeiras tentativas de eliminação viral datam dos trabalhos pioneiros, ainda na década de 90, liderados pelo Dr. Carl June. Os linfócitos CAR-T inicialmente desenvolvidos não possuíam domínios coestimulatórios, por isso sua proliferação e persistência in vivo eram limitadas. Além disso, utilizavam o CD4 como domínio extracelular, o que tornava a célula suscetível à infecção lítica pelo HIV. Desde então, novos modelos de CAR foram desenvolvidos, utilizando, por exemplo, domínios extracelulares com especificidade para diferentes regiões da gp120, a proteína do envelope viral que se liga ao CD4 e o seu co-receptor CCR5; o knockout do gene CCR5 nas células CAR-T; e a expressão do CAR associada a inibidores de fusão de membrana. Outro desafio na cura do HIV consiste na eliminação dos reservatórios virais em estado de latência. Uma estratégia em estudo clínico fase 1 testa a associação de células CAR-T com drogas reversoras de latência. No entanto, as tentativas de tratamento do HIV com linfócitos CAR-T até o momento falharam em mostrar supressão a longo prazo da replicação viral.

 

Outros modelos de CAR, ainda em fase pré-clínica inicial e com eficácia limitada, visam a eliminação dos vírus das hepatites B e C, além de patógenos oportunistas em pacientes imunossuprimidos, como CMV, EBV e Aspergillus. Embora a enorme demanda por novos tratamentos, questões de segurança tornam-se bastante expressivas nesse contexto, uma vez que as infecções ocorrem em órgãos vitais, onde o dano celular induzido pela terapia pode ser catastrófico.

 

Além das doenças infecciosas e autoimunes, recentemente o horizonte de possibilidades das células CAR-T foi expandido, ao demonstrar a possibilidade de reverter fibrose e senescência, dois processos considerados terminais do ponto de vista clínico. Células CAR-T anti-FAP (Proteína de Ativação dos Fibroblastos) foram capazes de reverter a fibrose e restaurar a função cardíaca após injúria muscular hipóxica em modelo murino, sem efeitos off-target ou prejuízo para cicatrização de feridas. A senescência, estado celular caracterizado pela parada de proliferação e um programa secretório capaz de modular o microambiente, está ligada a diversas patologias degenerativas e câncer. Amor et al.  identificaram a uPAR (Ativador de Plasminogênio tipo uroquinase) como uma proteína de membrana com expressão aumentada consistentemente nas células senescentes. Linfócitos CAR-T anti-uPAR foram capazes de eliminar células senescentes in vitro e in vivo, em dois modelos murinos, com recuperação da função tecidual e sem efeitos nocivos notáveis.

 

Em linhas gerais, a imunoterapia torna-se viável quando há expressão ou superexpressão de antígenos de membrana específicos nas células patológicas, e a formação de memória imunológica beneficia particularmente as doenças que necessitam de supressão continuada. A terapia com células CAR-T trouxe uma mudança de paradigma nas doenças oncológicas, e tem potencial para causar efeito semelhante em doenças crônicas, com redução significativa da morbimortalidade e melhora da qualidade de vida dos pacientes e seus familiares.

 

 

Referências Bibliográficas

 

AGHAJANIAN, H. et al. Targeting cardiac fibrosis with engineered T cells. Nature, v. 573, n. 7774, p. 430–433, 19 set. 2019.

AMOR, C. et al. Senolytic CAR T cells reverse senescence-associated pathologies. Nature, v. 583, n. 7814, p. 127–132, jul. 2020.

CELGENE. Celgene Corporation and bluebird bio Announce bb2121 Anti-BCMA CAR-T Cell Therapy Has Been Granted Breakthrough Therapy Designation from FDA and Prime Eligibility from EMA for Relapsed and Refractory Multiple Myeloma, 16 nov. 2017. Disponível em: <http://www.businesswire.com/news/home/20171116005818/en/>

CHICAYBAM, L. et al. Overhauling CAR T Cells to Improve Efficacy, Safety and Cost. Cancers, v. 12, n. 9, p. 2360, 21 ago. 2020.

CHMIELEWSKI, M.; ABKEN, H. TRUCKS, the fourth‐generation CAR T cells: Current developments and clinical translation. ADVANCES IN CELL AND GENE THERAPY, v. 3, n. 3, jul. 2020.

ELLEBRECHT, C. T. et al. Reengineering chimeric antigen receptor T cells for targeted therapy of autoimmune disease. Science, v. 353, n. 6295, p. 179–184, 8 jul. 2016.

MALDINI, C. R.; ELLIS, G. I.; RILEY, J. L. CAR T cells for infection, autoimmunity and allotransplantation. Nature Reviews Immunology, v. 18, n. 10, p. 605–616, out. 2018.

MAROFI, F. et al. CAR T cells in solid tumors: challenges and opportunities. Stem Cell Research & Therapy, v. 12, n. 1, p. 81, dez. 2021.

MAUDE, S. L. et al. Tisagenlecleucel in Children and Young Adults with B-Cell Lymphoblastic Leukemia. New England Journal of Medicine, v. 378, n. 5, p. 439–448, fev. 2018.

MAZZI, M. T. et al. CAR-T cells leave the comfort zone: current and future applications beyond cancer. Immunotherapy Advances, v. 1, n. 1, p. ltaa006, 1 jan. 2021.

PARK, J. H. et al. Long-Term Follow-up of CD19 CAR Therapy in Acute Lymphoblastic Leukemia. New England Journal of Medicine, v. 378, n. 5, p. 449–459, fev. 2018.

SADELAIN, M.; RIVIÈRE, I.; RIDDELL, S. Therapeutic T cell engineering. Nature, v. 545, n. 7655, p. 423–431, maio 2017.

WHO. Cancer, 3 mar. 2021. Disponível em: <https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/cancer>

XIN YU, J.; HUBBARD-LUCEY, V. M.; TANG, J. The global pipeline of cell therapies for cancer. Nature Reviews Drug Discovery, v. 18, n. 11, p. 821–822, out. 2019.

PUBLICADO POR
Martin Bonamino
Colunista Colaborador
ver todos os artigos desse colunista >
OUTROS SBLOGI
Células T CD8+ GZMK+: uma população muito peculiar do envelhecimento imunológico
Vânia Bonamino
07 de abril de 2021
Reflexões sobre o livro "21 lições para o século 21", de Yuval Harari
Dinler Antunes Bonamino
30 de março de 2021
Quem mexeu no meu DNA?
Pedro Bonamino
30 de março de 2021