Pesquisadores brasileiros encontram novas moléculas presentes na hanseníase
28 de março de 2018
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

O estudo foi publicado na revista Frontiers in Immunology e apresentou o primeiro miRNoma da hanseníase

A hanseníase é um problema de saúde pública e é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen. Um estudo liderado pelo imunologista Claudio Guedes Salgado, do Laboratório de Dermato-Imunologia da Universidade Federal do Pará (UFPA) e presidente da Sociedade Brasileira de Hansenologia, descreveu o primeiro miRNoma da hanseníase, possibilitando identificar os microRNAs presentes nos pacientes que participaram da pesquisa. O estudo foi realizado em parceria com o grupo de Genética Humana e Médica da UFPA, coordenado pela pesquisadora Ândrea Kely Ribeiro dos Santos, com a participação de colegas da USP Ribeirão Preto, da Universidade Federal de Uberlândia e da Colorado State University.

Parte da equipe responsável pelo estudo. Da esquerda para a direita: Raquel Bouth, Ândrea Kely, Sidney Santos, Claudio Salgado, Angélica Gobbo, Josafá Barreto e Pablo Pinto.

Entretanto, o uso desse conjunto de genes restringiu a possibilidade de encontrar novos miRNAs que podem estar envolvidos em diversos mecanismos da doença. No estudo liderado pelo pesquisador Claudio Guedes Salgado, foi examinado o miRNoma de pacientes tuberculóides e lepromatosos, usando biópsias de lesões e amostras de sangue de pacientes com hanseníase que visitaram a Unidade de Referência em Dermatologia Sanitária do Estado do Pará “Dr. Marcello Candia” e comparados com indivíduos saudáveis. Além disso, também foram realizados os testes em diversos municípios do Pará, com visitas domiciliares para exame de portadores da doença e de alunos da rede pública de ensino, onde se tem encontrado entre 3 a 4% dos estudantes com a doença não diagnosticada.Já foram realizados estudos que exploraram o miRNA em pacientes com hanseníase, mas foram feitos com conjuntos pré-determinados de genes como alvos.

“Ao utilizar um conjunto de ferramentas para correlacionar miRNAs de diferentes alvos gênicos, identificamos possíveis interações e redes de miRNAs que podem estar envolvidas na imunofisiopatologia da hanseníase. Fizemos o primeiro miRNoma de hanseníase. O miRNoma nos mostra o que tem de microRNA nos pacientes. Com essa abordagem, identificamos que o perfil de miRNA da hanseníase no sangue é diferente daquele da pele lesionada e que existem quatro grupos principais de genes alvos do miRNA da doença”, explica o pesquisador Claudio Salgado.

Com essa pesquisa, novas moléculas que até então não tinham sido detectadas, foram descobertas e poderão ser estudadas. “A Aquaporina 1 foi um dos alvos dos microRNAs que detectamos. Entre outras funções, ela é uma das responsáveis pela hidratação e pela elasticidade da pele”. A SIGMAR1 é outra molécula que também foi detectada durante a pesquisa. “Essas duas moléculas podem estar envolvidas no mecanismo de dor neuropática dos pacientes”, completa o pesquisador.

Além destas, também foram encontradas outras moléculas participantes de vias de desmielinização e inflamação, como a ROCK1, que também já foi associada como participante em mecanismos de dor neuropática.

A pesquisa revelou novos aspectos da imunofisiopatologia da hanseníase, especialmente no que se trata da regulação do sistema imunológico, apoptose, desmielinização, transição epitélio-mesenquimal (EMT) e dor neuropática. “Na segunda etapa, vamos começar a validar esses marcadores da hanseníase”, afirma Claudio Salgado.

O estudo pode ser consultado no link: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fimmu.2018.00463/full

Mais detalhes sobre o funcionamento do projeto em campo podem ser acessados em: https://www.youtube.com/watch?v=dRszse7bfao

 

A hanseníase no Brasil

Equipe do pesquisador Claudio Salgado realizando a avaliação para prevenção de incapacidades.

Contudo, o pesquisador alerta que esses números podem ser maiores. “Nos lugares que visitamos, encontramos muitos casos, mas sem diagnóstico. Uma das coisas que contribuem para isso é nós não termos um biomarcador, um exame de laboratório que seja definitivo para hanseníase em todos os casos. Como não tem, dependemos de um exame clínico bem feito, que é o que define a hanseníase”, explica Claudio Guedes Salgado. “Esses microRNAs que descrevemos, abrem novas perspectivas para o melhor entendimento da imunofisiopatologia da hanseníase e para encontrarmos novos marcadores que auxiliem no diagnóstico da doença”, completa.Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, o país identificou 25 mil casos de hanseníase em 2016, o que representa uma diminuição de 42,3% se comparado a 2007, quando foram registrados 40,1 mil casos no Brasil.

Usuário
PUBLICADO POR
comunicação sbi
CATEGORIA DO COLABORADOR
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTRAS NOTÍCIAS
Confira a programação de recesso da SBI
comunicação sbi
21 de dezembro de 2018
Associados da SBI são nomeados membros titulares da Academia Brasileria de Ciências
comunicação sbi
13 de dezembro de 2018
Aprovados no Programa de Auxílio a Eventos da SBI - Chamada 2019/1
comunicação sbi
14 de dezembro de 2018