Impressões digitais
24 de setembro de 2020
COMPARTILHAR Facebook Twiter Google Plus

Impressões digitais

Nelson Vaz

Através de meu interesse na origem do alfabeto e da linguagem escrita, cheguei aos videos e livros da Baronesa Susan Greenfield, membro da House of Lords britânica e renomada neurocientista e divulgadora da ciência. Em um de seus textos, cujo trecho reproduzo abaixo, ele se refere à formação das impressões digitais humanas com tal precisão e delicadeza, que decidi compartilha-lo com vocês. Parece-me ser este um exemplo de processos “extremamente complexos” aos quais se referia Stafford Beer na cibernética britânica: a queles que nunca entenderemos a não ser em descrições estatística. Pergunto-me se a produção simultânea de milhões de moléculas diferentes de imunoglobulinas não pertence a processos de complexidade e delicadeza similares que nunca visualizaremos em um formato linear.

 

Susan Greenfield em “You and Me” (London, Noting Hill Editions, 2016.) explica porque gêmeos idênticos têm impressões digitais diferentes.

 

“A razão é que sua impressão digital não é geneticamente baseada, não é uma característica herdada, mas é o resultado de sua experiência única, especificamente sua posição particular no útero antes do nascimento.

As impressões digitais se desenvolvem no início da gestação. Entre a sexta e a décima terceira semanas de vida, as saliências características já estão se formando nos dedos e nas palmas das mãos do feto. Inúmeros fatores ambientais agora influenciarão a formação do padrão único, incluindo a posição exata do feto no útero em um momento exato, e a composição e densidade exatas do líquido amniótico circundante que gira em torno dos dedos quando eles tocam o que quer que eles encontrem. O movimento do bebê conforme ele muda dentro do útero e a velocidade e tamanho com que ele cresce - tudo afeta a forma como os padrões de impressão digital e os sulcos se formam e garantem que a característica física verdadeiramente única, que irá distinguir cada um de nós de qualquer outra pessoa, nunca é duplicado. Em todo o curso da história humana, não há virtualmente nenhuma chance de o mesmo padrão de impressão digital se formar duas vezes, porque não há chance de um conjunto idêntico de eventos pré-natais ocorrendo na mesma extensão e da mesma maneira ao mesmo tempo. E embora outras características físicas mudem com a idade, sua impressão digital permanece a mesma até o túmulo. Toque em algo e você deixará nele um traço revelador de sua singularidade. ”

PUBLICADO POR
Nelson Vaz
ver todos os artigos desse colunista >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OUTROS SBLOGI
Bola de Cristal
SBI Comunicação Vaz
21 de outubro de 2020
Um fedor do passado
Nelson Vaz
15 de outubro de 2020
Padrões na imunologia-I
Nelson Vaz
08 de outubro de 2020